Inaceitável. Favores não, justiça sim!
08-11-2018 | por Jorge Cortez
Estatísticas

176 Visualizações

Outras Acções
Comentar Imprimir Aumentar Diminuir Restaurar
Os jornais locais transcreveram as palavras do Presidente da Câmara dando conta “do impacto no orçamento da obra de reabilitação do sistema de tratamento de águas residuais”. Isto refere-se, no fundamental, à reparação do emissário que liga a nossa rede de esgotos à estação de tratamento de águas residuais. Sem dúvida, uma obra necessária e urgente!
O Presidente da Câmara tem um jeito especial de apresentar as suas opiniões e as suas decisões. Usa uma narrativa que parece ser guiado pelos melhores saberes e pela maior generosidade. É muito atrativa esta imagem, mas não corresponde à verdade!
Pondo de lado os comentários, vamos aos factos.
Desde a fundação da empresa Águas de S. João (AdSJ), em 2009, foram desviados milhões de euros para os cofres da Câmara, provenientes, diretamente, da faturação aos munícipes. Este  dinheiro foi cobrado a todos nós na fatura da água, num valor  muito acima do que era justo ser praticado. Trata-se  sobrefaturação por uma empresa monopolista. O valor sobrefaturado é desviado para a Câmara. Por esta via, estamos a ser sujeitos a um imposto encapotado. 
 Em 3 anos (2015, 2016 e 2017), foram “levados” da empresa para a Câmara 2 milhões e 567 mil euros, mais de 855 mil euros por ano em média. Este dinheiro, entrou no orçamento da Câmara, e, entre outras coisas, também foi gasto em festas e diversas iguarias.
É pois, profundamente demagógico o presidente anunciar que o investimento de 300 mil euros para a obra de reabilitação do sistema de tratamento de águas residuais não vai ter repercussões nas tarifas da água. Parece que nos está a fazer um favor. Mas não nos deixemos comover. Era o que faltava, ainda termos que pagar a manutenção da rede de esgotos depois do que pagamos em excessoa, todos os meses, na fatura da água.
Em 2018 e em 2019, a Câmara vai receber por efeito da sobrefaturação da água , em cada um destes anos, cerca de 3 vezes mais que o custo da referida obra,  se o senhor Presidente fosse coerente, deveria baixar o custo da água para um preço justo porque, mesmo amortizando esta obra num só ano (sem milagre),  nos cofres da Câmara vão entrar, cobrado aos consumidores de água, muitos milhares euros acima do necessário.
É ainda oportuno avisar a população de que se não fosse a proposta da CDU, desmascarando esta situação, tudo se ia encaminhar para que fosse somada mais esta parcela, ao aumento que vamos ter no primeiro trimestre de 2019, quando for feito o habitual aumento anual. 
A CDU tentou que esta injustiça fosse atenuada, que o valor a pagar pelos munícipes pelo consumo de água, diminuísse. Não conseguimos porque, para esta maioria, estar contra os preços altos da água  era quando estava na oposição. Agora está no poder  e  já não há nada para reivindicar! 
É oprtuno apelar à memória dos sanjoanenses, para recordar a posição do PS quando estava fora do poder: sempre a falar em baixar o preço da água e sempre a reclamar contra tudo o que os servços de água faziam. No último mandato, 2013-2017, muitas vezes ouvimos os eleitos do PS reclamarem que a água e os resíduos sólidos estavam muito caros, Mas agora...
“Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades”, chegados ao poder, com maioria absoluta,  a narrativa é outra. Quando a CDU propôs que “de modo gradual, com inicio em 2019, a fatura dos utilizadores de água baixasse, garantindo-se o equilíbrio económico-financeiro do serviço”, foi acusada de irresponsável porque a Câmara está “viciada” nestas receitas e é muito difícildispensá-las. Ou seja: cortam-se as ruas; cortam-se os caminhos e cortam-se outras coisas mas  nos  vícios nada. 
Continuamos a afirmar que pagamos pela água e saneamento um preço elevado e injusto, que o princípio do utilizador-pagador está a ser violado e que  é urgente baixar o seu preço da água! 
Comentários
Anónimo | 08-11-2018 17:08 "Gondomar, Póvoa do Varzim e São João da Madeira são os municípios que mais cobram por cada serviço."
A propósito deste assunto num artigo online recente da associação do consumidor Deco, intitulado "Tarifa social da água: municípios sem regras uniformes " pode ler-se algures sobre os serviços prestados pelo município de SJM: "Gondomar, Póvoa do Varzim e São João da Madeira são os municípios que mais cobram por cada serviço."
Também em Junho deste ano, a Deco no artigo "Tarifas da água mais caras na maioria dos municípios com concessões" coloca SJM entre os municípios onde o aumento do consumo implica pagar muito mais no total (abastecimento, saneamento e resíduos sólidos), i.e. onde se deu o maior salto.
Os artigos referenciados podem ler-se nas seguintes ligações:
1)https://www.deco.proteste.pt/casa-energia/agua/noticias/tarifa-social-da-agua-municipios-sem-regras-uniformes
2) https://www.deco.proteste.pt/casa-energia/agua/noticias/tarifas-da-agua-mais-caras-na-maioria-dos-municipios-com-concessoes

Comentar

Anónimo