Das designers Estibalitz Diaz de Durana e Carolin Holzhuber
Dos chapéus de sonho ao calçado elevado a arte nos museus sanjoanenses
18-10-2018 | por Joana Gomes Costa
As comemorações do 11 de Outubro de 2018 fizeram-se também de cultura, com a inauguração de duas novas exposições temporárias nos museus da cidade. O Museu da Chapelaria acolhe os chapéus e os sonhos da designer espanhola Estibalitz Diaz de Durana, enquanto o Museu do Calçado acolhe o calçado elevado a arte da designer austríaca Carolin Holzhuber.

«Estibalitz Diaz de Durana. Entre Chapéus e Sonhos», no Museu da Chapelaria
Estatísticas

350 Visualizações

Outras Acções
Comentar Imprimir Aumentar Diminuir Restaurar
Mais fotos

«Estibalitz Diaz de Durana. Entre Chapéus e Sonhos» é o título da exposição patente no Museu da Chapelaria, que reúne 70 chapéus da autoria da designer Estibalitz Diaz de Durana Arias, em que as suas peças, intensas e cheias de força, se destacam pela riqueza e luxúria dos materiais e acessórios usados, pela intensidade dos temas retratados e por uma peculiar estética surrealista.
«Elevado. O calçado de Carolin Holzhuber» está patente no Museu do Calçado e congrega 70 pares de sapatos desenhados por Carolin Holzhuber entre 2012 e 2018, cujas criações refletem a fascinação pelo sublime, ao mesmo tempo que combinam modernidade e artesanato e procuram uma reflexão artística sobre conceitos ou interpretações criativas do meio que a envolve.
As designers Estibalitz Diaz de Durana Arias e Carolin Holzhuber estiveram em S. João da Madeira, onde participaram na inauguração das exposições e numa mesa-redonda em torno das temáticas entre a moda e a indústria.
“O chapéu distingue-nos, faz-nos diferentes e individuais”, disse Estibalitz Diaz de Durana, defendendo que, além de “cobrir, dar calor ou sombra”, o chapéu tem também a capacidade de “embelezar” ou “provocar um sorriso” até. Por isso, no Museu da Chapelaria e perante uma plateia onde marcaram presença muitos ex-trabalhadores desta indústria intrínseca à história sanjoanense, a designer espanhola terminou a sua intervenção com um “viva os chapéus”.
Carolin Holzhuber manifestou a sua satisfação por esta que é a sua primeira exposição em Portugal, realçando o facto de decorrer em S. João da Madeira, uma “cidade tão conhecida na indústria do calçado”. Logo no acto de inauguração, a designer austríaca anunciou que irá doar um par de sapatos da sua colecção, desenhado no âmbito da colaboração com a estilista Iris van Herpen, para integrar o espólio do Museu do Calçado. Surpreendida pelo anúncio desta doação, Suzana Menezes, chefe de divisão da Cultura da Câmara Municipal de S. João da Madeira, sublinhou a relevância da escolha, salientando que este par em particular “marca um ponto importante na carreira” de Carolin Holzhuber.
Na cerimónia de inauguração, ainda no Museu da Chapelaria, o presidente da autarquia sanjoanense, Jorge Sequeira, destacou que “há poucos países em Portugal ligados à indústria, mas no nosso concelho, o mais pequeno em área, temos dois museus ligados à indústria [da chapelaria e do calçado]” que são complementados por um programa de Turismo Industrial, que valorizam “o nosso património e a nossa cultura”.
Presente nestes momentos inaugurais esteve também Maria Fernanda Rollo, secretária de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, que no âmbito da sua carreira como historiadora estudou a história da indústria no concelho sanjoanense, conhecendo bem o percurso e impacto da chapelaria e de empresas como a Oliva, por exemplo. Assim, foi peremptória ao afirmar que “a história de S. João da Madeira é de se lhe tirar o chapéu”, sublinhando que a nossa cidade é dos poucos exemplos de territórios que “valorizam e divulgam o seu património”.
As duas exposições inserem-se no ciclo «Criar entre mundos. Da cabeça aos pés», proposto pelos dois museus sanjoanenses ao longo deste ano e podem ser descobertas até dia 28 de Abril de 2019.

Assinado protocolo de doação

A 11 de Outubro foi também assinado o protocolo de doação de quadro do artista plástico João Noutel ao Museu do Calçado, que decorre na sequência da exposição «The Shoe Case», que esteve patente nos Paços da Cultura.

Comentar

Anónimo