Obra lançada pela Câmara Municipal
Já começou a substituição de coberturas em fibrocimento nas escolas de S. João da Madeira
12-09-2018
Estatísticas

500 Visualizações

Outras Acções
Comentar Imprimir Aumentar Diminuir Restaurar

Já se iniciou a substituição das coberturas em fibrocimento com amianto que existem em três edifícios escolares de S. João da Madeira e que, nesta fase, abrangerá também o Complexo Desportivo Paulo Pinto. Lançadas pela Câmara Municipal, estas obras têm um preço base global de cerca de 350 mil euros.
Os trabalhos começaram em agosto na escola do ensino básico do 1.º ciclo do Parrinho, um dos estabelecimentos de ensino considerados prioritários, juntamente com a EB Fundo de Vila e o Jardim de Infância das Travessas, onde os trabalhos se iniciam em seguida, chegando depois ao Complexo Desportivo Paulo Pinto.
Estes trabalhos contemplam a substituição das coberturas em fibrocimento por painéis metálicos duplos isolantes com os respetivos apoios, remates e acessórios, bem como a colocação de novas caleiras. As intervenções serão também aproveitadas para efectuar pequenas obras de melhoramentos nas coberturas destes edifícios municipais.
Dá-se assim o primeiro passo para a substituição das coberturas em fibrocimento que existem em sete edifícios escolares da responsabilidade do Município, sendo que, para além dos três que agora vão ser intervencionados, também nos restantes quatro o mesmo será feito oportunamente, encontrando-se já elaborados os respectivos projetos.
No caso do Complexo Desportivo Paulo Pinto, está em causa essencialmente a cobertura do pavilhão, dado que na parte da piscina interior já fora anteriormente realizada a substituição do fibrocimento.
Estas obras, a levar a cabo pela Câmara Municipal de S. João da Madeira, visam dar cumprimento às disposições legais relacionadas com o diagnóstico, monitorização, substituição, remoção e destino final do amianto, no que se refere aos edifícios públicos.
A empreitada de remoção dos telhados de fibrocimento tem prazo e execução previsto de 150 dias, tendo as intervenções sido preparadas de forma a permitir a frequência de alunos, sem a necessidade de deslocação para outros espaços, possibilidade que, se tiver que ser colocada face ao andamento dos trabalhos, será previamente analisada com as direções de cada um dos agrupamentos escolares abrangidos.

Comentar

Anónimo