Ser e tempo da natação ads/fepsa
13-09-2018
Estatísticas

322 Visualizações

Outras Acções
Comentar Imprimir Aumentar Diminuir Restaurar

Dia 8, sábado 10h00, a NATAÇÂO ADS/FEPSA fez soar o primeiro acorde 2018/2019: reuniu atletas, treinadores, dirigentes, pais e amigos. Falou-se primeiro da experiência da época passada e depois de fantásticos sonhos, disciplina, sacrifícios e vínculos. Uma equipa para treinar, uma equipa para apoiar o treino, uma equipa para apoiar tudo, uma equipa para acarinhar tudo.
Na Natação em S. João da Madeira não há ideais esquecidos. Fazemos acontecer uma das modalidades desportivas mais consagradas do planeta, com a mesma nobre subtileza de espírito que lhe deram Fenícios, Gregos e os demais mitos e ancestrais. Chegou até nós com o mesmo desassossegado anseio dos que procuram respostas para a vida nos âmagos caminhos do sol e da lua.
Na Natação Desportiva não podemos ter como certo nada, podemos até reduzir esta ideia ao instinto de sobrevivência, livres e em paz, vamos atrás da nossa aposta. Sempre tivemos aprazível e interessante diálogo com a incerteza. Já que criámos a ideia metafórica (utópica?) de sermos felizes, tivemos a partir daí a obrigação de tentar compreender o mundo em que vivemos; muita gente gosta de natação. Num gesto de continuidade, os intérpretes de hoje, que nasceram dos que ontem conceberam a vontade e os propósitos, hão de, por sua vez, deixar referenciados instinto e destino para amanhã. O valor do trabalho, ou do Trabalho, é basicamente a capacidade que este tem para se reproduzir, ou seja, o seu resultado não pode ser apenas para manter o mínimo de sobrevivência ou para o indiferente consumo desenfreado.
Quando uma cidade promete a si própria dar liberdade aos poetas deve naturalmente alargar o âmbito da poesia e dar espaço a quem escreve poesia sem ser em pedaços de papel, num momento em que a “alma” perde o sossego. Há quem se anuncie com outros compromissos sublimes. Com um dia-a-dia de Natação, escrevemos metáforas de sorrisos sem dimensão, uns grandes outros pequenos, acolhem-se os que houver; misturam-se e distribuem-se, até que todos façam os seus versos. Existem outros valores, muitos deles são as majestades da nossa existência, ruim seria que carecessem de anúncio ou que impedidos fossem do acto de ser.
A Natação Desportiva correntemente não faz sumário analítico, talvez porque não tenha um pensamento principal que leve ou se eleve a outros. Os pensamentos da Natação são, a uma vez, científicos, outras vezes, sem que se sintetizem, são fruto natural do ir-se fazendo, outras vezes intuitivos, criativos, imaginativos ou meditativos. A Natação sujeita-se a: leis mecânicas que, são as técnicas de nadar; restrições físicas, que são resistência e velocidade; ideias políticas quando reivindica o seu espaço; entrementes, precisa rejeitar algumas, desconcertantes, teorias; ou defender o seu lado humano, a um tempo calorosamente social, tocante e cultural. A natação é um desporto individual? Sim, é! A natação é um desporto colectivo? Sim, é! Pois que, na natação ninguém tem como se isolar, no entanto, o que cada um tem que fazer só ele pode fazer.
A história da Natação, e toda a História, pouco ajudaria, se não se tornasse um incentivo, não se tornasse ela um dos órgãos do nosso colectivo. A História não pode ser apenas memória, feitos grandiosos ou um glorioso retrato a preto e branco. Mais, além de intuir a acção, a história tem de ser um sempre presente instrumento de trabalho; mesmo, até quando entendemos buscar novos portos de partida.
Enviamos, daqui, esta mensagem dentro de uma garrafa. Quem sabe, se a uma determinada dimensão, não existam, ainda, ilhas isoladas? Nós e ou outros?
Por conseguinte, não haverá quem possa imaginar tudo. Ou, havendo-O, a nossa mente humana, como assim, é de conteúdo e porte limitados. O meio, desportivo e social, tem complexidade suficiente, para aceitar imprevistos e surpresas, não pode é aceitar, de antemão, regras que não tenham em conta o infindável e intransigente trabalho do Homem. De sermos a diferença, de sermos o que vai mais além.
Se ninguém abrir a nossa garrafa, jamais haverá quem saiba da profunda natureza da nossa paixão, esforço e abnegação. Mais, muito mais, do que o que nos deram.

Somos Natação, somos NATAÇÃO ADS/FEPSA

Comentar

Anónimo