Sarau da ADS
19-07-2018 | por Maria João Paixão
Estatísticas

196 Visualizações

Outras Acções
Comentar Imprimir Aumentar Diminuir Restaurar
Mais fotos

O tema do sarau foi, e aproveitando as Iniciais do clube, fazer um acróstico, cujas palavras vão ficar eternizadas nas paredes do pavilhão e na memória das pessoas tal como se vê na foto, por cima, a dizer ADS e por baixo, em linha recta, está escrito ATITUDE, DISCIPLINA, SUPERAÇÃO. Este é sempre o nosso lema, mas com muita amizade, amor, carinho, atenção, uma partilha de afectos constante, fazendo crer ao atleta que de tudo ele é capaz. Não basta nós dizermos, eles têm mesmo que acreditar que é verdade e que as palavras “não consigo” não existem. Então, para isso, tem que haver atitude, disciplina e superação também. A partir deste ano, vai ser sempre o acróstico que vai estar presente no nosso sarau, independentemente de escolhermos um pensamento diferente.
Este foi um ano de mudança para nós. Eu sinto que 2017/2018 foi um ano difícil em que existiram muitas mudanças, não só mundialmente, mas também aqui neste espaço, num cantinho do mundo, onde existe uma secção de ginástica com quase tantos anos de história como o clube. Continua a ser a segunda modalidade do clube com mais atletas e também os mais novos e mais velhos, dos três aos 60 anos de idade. Tivemos mais de 200 atletas de novo este ano, praticamente tantos como os que tivemos o ano passado. Saíram uns entraram outros, o que é muito bom e mantemos a fasquia acima dos 200.
Os grupos participantes da secção foram vários, desde a infantil até às veteranas de ginástica títmica, onde está a minha atleta mais velha, que tem 60 anos e que foi atleta da ginástica da ADS e aluna do Prof. Valdemar Caetano. Esta atleta não fazia ginástica desde os seis anos de idade e foi para mim um privilégio voltar a fazê-la sentir a magia do que é o sarau de ginástica do nosso clube. Não há palavras...só quem sente.
Quanto aos grupos convidados, tivemos o CCD com as suas meninas do HipHop , o agrupamento de escolas de Fajões com um trio de ginástica acrobática, o Ginásio Clube do Montijo já nosso conhecido, com a sua classe maravilhas, de atletas muito jovens com idades entre os 55 e os 90 anos e a sua classe de tumbling com miúdos espectaculares a fazerem acrobacias, o GimnoCerco, que se estreou este ano no nosso espectáculo e veio para ficar, como os bicampeões de ginástica acrobática em desporto escolar, fantásticos, e a patinagem do nosso clube a encerrar com chave de ouro o nosso sarau. Foram cerca de 400 atletas que durante três horas fizeram as maravilhas dos presentes.
A edição deste ano foi para mim, que dou aulas neste clube vai fazer 38 anos em Setembro, a melhor de todas. Este era o sarau que eu sempre sonhei fazer um dia. Aquilo a que chamamos o sarau perfeito. 20 números em três horas é o número ideal, nem muito longo, nem muito curto. O público manteve-se sentado ao longo de todo o espectáculo. Foi uma sensação muito boa, além de termos casa cheia. Todos os atletas, desde a infantil até às mais velhas, as veteranas, foram praticamente perfeitas nas coreografias.
O treinador deixou de ter o papel daquele que está à frente para ajudar e passou a ser aquele que está ali, a ver, apenas para que eles sintam que confia no trabalho realizado por eles, ginastas. Apenas usei o olhar para assinalar quando deviam fazer a vénia a cumprimentar e agradecer ao público. O resto foi feito por eles. As coreografias forma executadas no tempo correcto da música, umas mais sérias, outras mais alegres, umas mais compenetradas outras mais à vontade, mais fluidas, as atletas todas e todos foram mostrando ao público ali presente que a ginástica é de facto uma segunda casa. Aprendem com regras, mas com muito amor, carinho e amizade. Os afectos são ingrediente diário nos treinos, bem como a disciplina, a atitude, a superação, o respeito, a partilha, o espírito de equipa, a presença constante, o ouvido que ouve, o olhar que fala, os braços que abraçam e dão colo.
Para mim, foi muito especial porque este era o tal sarau que um dia disse à minha treinadora que gostaria de fazer, quando fosse mais velha. Para mim, o amor é o sentimento mais importante na vida. Com amor, tudo se supera e se conquista. Onde ela estiver, vai esboçar um sorriso e entender o que eu queria dizer quando era uma adolescente.
Além disso, para mim, e aconteceu este ano de forma mais focada, o importante num espectáculo destes é o que está por dentro, no praticável quando se apagam as luzes e se podem ver os atletas a mostrar o que sabem. A fachada, como eu chamo à decoração, não é importante, porque é supérfluo. Um pavilhão como aquele, com tanta história, tem publicidade suficiente que lhe dá a essência e a cor. Os balões são suficientes para enfeitar. Algo simples, sem grandes dificuldades de executar. Simples como deveriam ser todos os seres humanos por fora porque a verdadeira essência é o que temos dentro daqueles 14m por 14m, quando o público está centrado a ver e se delicia com o espectáculo, tal como nos deliciamos quando conhecemos as pessoas por dentro.
E existe algo mais e fica só para mim, é um segredo que só meu, o tal cunho pessoal... Não se pode revelar todos os segredos, apenas levantar um pouco o véu.
O meu sentimento mais profundo neste sarau é o do dever cumprido. Se a minha carreira terminasse hoje, iria feliz com o que aconteceu naquele pavilhão no sábado. Não há palavras que expliquem a magia que aconteceu, tudo o que disser será pouco. Só quem lá está a viver aqueles momentos é que sabe do que estou a falar. O sucesso do mesmo só tem a ver com a entrega total de três elementos, eu, a minha colega e amiga Vera Mota, e a nossa directora e seccionista Dina Silvério. Somos a secção do clube com apenas uma directora que assume o papel também de seccionista, uma outra seccionista, que este ano nos começou a acompanhar mais, que é a Rosário. No sarau temos sempre a ajuda de algumas mães, que são fantásticas no controle das atletas, nos lanches, na maquilhagem e nas ajudas externas.
Durante o sarau temos também alguns patrocinadores, entre eles os pais, por ajudaram financeiramente no transporte dos atletas que vieram do GimnoCerco, a Pastelaria e Padaria Pérola, que nos ofereceu os lanches, a Newcomp, que nos ofereceu as t-shirts, a Frutiparque e a frutas REIS e toda a logística necessária, a florista Pétala Dourada, que nos ofereceu as rosas, A Heliotextil, que nos ofereceu fita. A Santa Casa da Misericórdia, através do centro de acolhimento temporário de menores, que nos ofereceu os jantares aos convidados, a Junta de Freguesia e Câmara Municipal e ao clube pelo apoio e disponibilidade do pavilhão.  
Para terminar, gostaria de dizer que nunca se esqueçam que o amor faz milagres e é sem dúvida o melhor dos ingredientes para o crescimento saudável, correcto e pleno de um atleta e do ser humano em geral. Quando houver mais amor no mundo, e isso está já a mudar, tudo vai ser bem diferente. O ser humano vai tornar-se mais compreensivo, mais tolerante, mais afável, mais sensível, mais pleno, em resume, mais FELIZ.

 

Comentar

Anónimo