250 mil euros é o preço base do concurso público para a empreitada
Câmara de S. João da Madeira reabilita ruas adjacentes à Praça Luís Ribeiro
21-06-2018
Estatísticas

1688 Visualizações

Outras Acções
Comentar Imprimir Aumentar Diminuir Restaurar

 A Câmara Municipal de S. João da Madeira vai avançar com a manutenção e reabilitação de um conjunto de arruamentos da zona Pedonal do centro da cidade, nomeadamente as ruas Dr. Maciel, José Oliveira Júnior, Colégio Castilho, 11 de Outubro, Santo António e Alão de Morais.
 Com um preço base de cerca de 250 mil euros e financiamento a 85% com fundos comunitários no âmbito do Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano (PEDU), o concurso para a seleção do empreiteiro já foi publicado em Diário da República, de forma a cumprir os prazos estabelecidos na candidatura para a concretização da obra. O objetivo é corrigir e substituir os pavimentos degradados, bem como de equipamentos e do mobiliário urbano, incluindo a substituição dos contentores subterrâneos, qualificando e valorizando paisagem urbana.
 O projeto propõe «uma convivência segura e distinta na relação entre o peão e o automóvel, assente na prioridade atribuída ao peão na circulação e mobilidade, concorrendo assim para uma imagem urbana organizada e cuidada, que seja apelativa e convidativa para a fruição e permanência de pessoas, com consequências diretas para o dinamismo económico do comércio tradicional aí existente».
Na memória descritiva do projeto – da autoria do arquiteto Rui Faria, da Câmara Municipal – é também referida a “coerência e unidade do desenho de todos os arruamentos a intervencionar, conferindo a este tecido urbano uma escala de maior amplitude no contexto da cidade, espelhando uma forte imagem, com identidade própria e emblemática, com capacidade de a projetar para o exterior”.
 
Prioridade aos peões
 
Em concreto, está prevista a remoção dos pavimentos em madeira e dos bancos situados adjacentemente às faixas de circulação automóvel, a reparação de piso degradado e abatido, o reposicionamento de mobiliário urbano entretanto movido dos locais originais, execução de caldeiras para árvores, a reorganização de lugares de estacionamento e a aplicação de novos dissuasores metálicos ao longo dos arruamentos, impedindo os veículos automóveis de ocupar as zonas destinadas exclusivamente aos peões.
 É proposta igualmente a execução de rampas suaves nos passeios, cumprindo com a legislação das acessibilidades nas zonas de passadeiras, “dotando-se o pavimento de um superfície texturada direcional de encaminhamento dos invisuais para as passadeiras, junto às quais será aplicada uma superfície pitonada de alerta à aproximação da faixa de circulação rodoviária”.
 Refira-se ainda que, “com o objetivo de acompanhar as naturais dinâmicas do comércio tradicional de rua”, é proposta “a salvaguarda de espaço público livre junto aos estabelecimentos”, de forma “a suportar e fomentar” a vivência do espaço público “com esplanadas e outras iniciativas de cariz cultural que possam promovidos pelos comerciantes no desenvolvimento da sua própria atividade económica”.

Comentar

Anónimo