«7bases do sucesso», o primeiro livro do sanjoanense Alexandre Martins
“A construção do livro tinha que ser algo que mexesse comigo”
12-04-2018 | por António Gomes Costa
É um livro diferente do habitual e tem o pré-lançamento agendado para o próximo sábado, dia 14. «7bases do sucesso» é o primeiro livro do sanjoanense e “inspirador” Alexandre Martins, que garante tratar-se de uma obra para leitores de todas as idades e através da leitura destes capítulos vão encontrar respostas a várias perguntas, que vão permitir a “milhares de pessoas encontrarem as peças que faltam no seu próprio puzzle”.
Estatísticas

639 Visualizações

Outras Acções
Comentar Imprimir Aumentar Diminuir Restaurar
Mais fotos

Jornal ‘O Regional’ -  Alexandre Martins, sanjoanense, 39 anos, diretor executivo, formador e especialista em «Transmutação», através de métodos avançados para a atualidade, usando o planeamento e a moti­vação em programas pio­neiros. Quer explicar-nos de forma mais clara que métodos são estes?  
Alexandre Martins – Na minha profissão, enquanto coach/treinador e formador profissional, ao longo dos últimos 20 anos, desenvolvi competências de liderança em áreas como as vendas, marketing pessoal e empresarial, coaching de alta performance, programação neurolinguística (mais conhecida por NLP, seu acrónimo inglês) e, principalmente, saber lidar com as pessoas.
Além disso, desenvolvo programas de «Transmutação/Transformação» (nas variantes Elite30 - 3 meses, Premium36 - 6 meses e Extreme42 - 12 meses), isto é, programas avançados e individuais, com acompanhamento e objectivo de melhoria constante, ao nível de aptidões e competências pessoais, que utilizam ferramentas pró-activas, adaptados a cada pessoa, pois cada pessoa é única. O mundo leva um ritmo alucinado e isso leva-me a ser híper criativo para obter resultados com os meus clientes extraordinários. Sempre tive a preocupação de me apetrechar de conhecimentos valiosos, a nível nacional e internacional, aprendendo com os melhores para, depois, criar bases sólidas entre o aprendido aplicável e a teoria não aplicável, no nosso dia-a-dia. Percebi, desde muito cedo, que conhecimento é poder, no entanto, sem aplicação de pouco nos serve.

«7 bases do sucesso» é o seu primeiro livro e vai ser apresentado no próximo sábado, dia 14, em Aveiro. Que livro é este?
Este é um livro que nasce de um desafio da editora Textos Livres. Não porque fosse um dos meus sonhos, não porque o procurei, mas porque a editora viu algo em mim, no meu trabalho, que não lhes passou despercebido. Desta forma, desafiaram-me a ajudar mais pessoas através de um obra transmitindo o meu conhecimento. A minha paixão pelas pessoas e pelas suas motivações fizeram com que eu aceitasse. A “carta branca” também foi um factor preponderante na decisão.

“O objectivo do livro é ajudar as pessoas”

Qual é o grande objetivo desta obra e de onde veio toda esta inspiração?
Confesso que nos primeiros dois meses foi um filme, pois pensei várias vezes no que é que eu me fui meter! (risos). Quem nunca teve o sonho de escrever um livro não sabe por onde começar e esse foi o meu grande dilema. Contudo, quando parei e tracei um plano, não fosse eu um coach de alta performance, tudo começou a encaixar-se como de um puzzle se tratasse. A construção do livro tinha que ser algo que mexesse comigo. Para esse efeito, teriam que existir pontos em comum que ligassem os leitores ao livro, como se fosse uma conversa ao espelho com o seu próprio eu e ter um efeito de transformação pessoal no leitor. A inspiração foi a parte mais fácil, porque lido, no meu dia-a-dia, com pessoas que desejam algo mais do que o normal para as suas vidas. Sendo assim, foquei-me no que queremos, abandonando o que não queremos, deixando fluir o conhecimento na era da partilha. O objectivo do livro é, como já referi, essencialmente, ajudar as pessoas.

Mas pretende mostrar alguma coisa em particular nestas cerca de 200 páginas?
Claro que sim, caso contrário, não fazia qualquer sentido escrever este livro. As pessoas, o empreendedorismo e a liderança correm nas minhas veias, desde muito jovem. Acredito que todas as pessoas têm nas suas profundezas algo de mágico por descobrir e, quando deciframos esse código, tudo se transforma, tudo faz sentido, tudo se encaixa, e as “7 bases do sucesso”, deste livro, vão fazer milhares de pessoas encontrarem as peças que faltam no seu próprio puzzle.

Posso concluir que é um livro diferente do habitual?
Pelo feedback que tenho recebido, sim, a ideia inicial sempre foi essa. Arriscar algo novo para diferenciar e não ser apenas mais um livro de estante. Acredito que qualquer autor escreva com o objectivo de impactar o máximo de pessoas possível e, para isso, neste caso, implica folhear um livro. Este foi feito para que o leitor fosse incluído na história.

Quem já leu o livro classifica-o entre muitas coisas como: «um manual para a vida», «livro cheio de exemplos concretos», ou mesmo uma «receita para sair do modo automático». Qual é para si a grande mensagem que quer passar?
A mensagem é simples. Quanto tempo se passa a fazer coisas sem sentido no nosso dia-a-dia? Se queremos algo mais, temos que filtrar e saber dizer não ao que não interessa, pois é precisamente isso que nos desvia do nosso propósito, da nossa felicidade. Não conheço ninguém que adore estar perto de pessoas tristes ou infelizes com a sua vida.

“O futuro, bom ou mau, somos nós que o criamos”

Na verdade, para que tipo de leitores se destina este seu livro?
Escolhi as 7 bases do sucesso, uma vez que estas se encaixam perfeitamente em qualquer pessoa que deseje ter sucesso pessoal, profissional, ou ambos.
Mas considera-o de fácil leitura?
Muito fácil, aliás, esse foi outro objectivo. A linguagem é simples e contém diversos casos em que um adulto, ou mesmo uma criança, que pegue nesta obra a possa folhear e entender o conteúdo valioso que tem na sua mão.

Através da escrita é fácil adotar um discurso otimista em relação, por exemplo, ao futuro?
O futuro, bom ou mau, somos nós que o criamos com as nossas pequenas ações diárias; por isso, para mim, foi indiferente, dado que me baseei em factos reais.

Dos sete capítulos, qual o que mais gostou de escrever?
O último! Porque, quem chegar ao fim, vai perceber que valeu a pena o investimento no livro e que não falo de facilidades. Escrevo sobre um caminho mais fácil para atingir o sucesso, seguindo estas 7 bases, alicerçadas em factos, não em teorias.

Durante todo o processo criativo procurou saber muitas respostas e compreender muitas perguntas?
Não, pois esse processo foi-se desenvolvendo ao longo deste 20 anos de experiência profissional e 39 de existência. Já tinha as respostas, foi apenas uma questão de as expressar em papel.

“Qualquer pessoa tem o poder de comunicar e inspirar”

Até que ponto as entrevistas que realizou a diversas personalidades, no seu programa “1080 segundos.com”, o influenciaram na forma de escrever?
Dentro da minha área, vieram consolidar e validar o meu conhecimento mas, em outras áreas, aceleraram o meu crescimento numa escala superior a 10 vezes. Isto também aconteceu porque a novidade fascina-me e, como acredito que a melhoria contínua faz parte do meu ADN, acabo por deixar fluir e inundar-me com o conhecimento dos outros.

Arrancou dessas conversas fortes energias?
Sem qualquer dúvida. Grandes lições de vida, como vão poder constatar. Acredito que qualquer pessoa tem o poder de comunicar e inspirar, sendo o propósito do programa.

É acompanhado por 20 mil seguidores nas redes sociais. Este nú­me­ro é uma resposta à forte necessidade de mudança que as pessoas necessitam para a sua vida?
Cada vez mais as pessoas ligam-se ao que as motiva e o meu foco sempre foi construir uma comunidade movida pela comunicação, inspiração e transmutação/transformação, ou seja, que todos percebamos esta linguagem positiva e construtiva.

Cada vez mais se fala de depressão. Os meios de comunicação falam de um aumento de síndrome de burnout no trabalho. Nos encontros que organiza de coach, que “terapias” aborda neste sentido?
Terapias não abordo, porque coaching não é uma terapia, essas ficam para os profissionais qualificados para tal. Coaching é um processo, com início, meio e fim. É definido em comum acordo com o cliente, de acordo com uma meta desejada pelo mesmo. Avalio as forças e fraquezas do meu cliente, enquadrando os objectivos ao meio envolvente em que este atua. Depois, então, definimos um plano que permita alcançar esses resultados. As pessoas têm que entender que um coach é um profissional treinado para fazer as pessoas aumentarem, substancialmente, a possibilidade de realizarem o que elas querem para a vida, em diversos aspectos, pessoais e profissionais. Coaching é uma metodologia que usa ferramentas com validação científica, para ajudar o cliente a trabalhar basicamente 5 campos: Foco, Planeamento, Acção, Melhoria Contínua e Resultados.

“Terei todo o prazer em apresentar esta obra cá”

O Alexandre considera-se um homem de sucesso?
A diferença entre as pessoas que têm sucesso e as que acham que têm sucesso é que os primeiros acham que ainda não fizeram nada e têm muito a melhorar, enquanto as segundas acham que está tudo feito e não existe mais nada a melhorar. Eu tenho a certeza que estou no primeiro leque de pessoas.

Sendo sanjoanense, como avalia a cidade e as pessoas?
A cidade deu um grande salto nos últimos 20 anos. Tem uma qualidade de vida e segurança invejáveis. Quando às pessoas, considero que são afáveis e acolhedoras, sendo também o feedback que tenho de quem nos visita.
 
Gostava de ter como leitor do seu livro o presidente da Câmara de S. João da Madeira, Jorge Vultos Sequeira?
Sim, este livro foi feito a pensar em todos e acredito que o senhor Presidente da Câmara de S. João da Madeira, ao cruzar-se com este livro, também fosse gostar de o ler até ao fim, dando um feedback positivo sobre o mesmo.

Quais são para si as “7 bases do sucesso” de S. João da Madeira?
A melhor resposta seria se eu tivesse aprofundado esta questão com factos, com estudos que validassem a minha resposta. Agora, de forma superficial e sem conhecimento de causa profundo, poderia elencar as seguintes: qualidade de vida, segurança, evolução tecnológica, turismo industrial, indústria, espaços culturais e incubadoras.

Para quando a apresentação deste livro na cidade que o viu crescer?
Iremos abordar os espaços culturais da cidade e perceber a sua receptividade. Para já, foi a cidade de Aveiro que acolheu, desde logo, o pré-lançamento do livro, no dia 14 de Abril. Como é óbvio, se houver vontade da minha cidade, terei todo o prazer em apresentar esta obra cá, antes de partir para cidades como Porto, Coimbra, Lisboa e Faro.

Comentar

Anónimo