Criminalidade no concelho diminuiu 12,7 por cento
Condução sob o efeito de álcool dispara na cidade
08-03-2018 | por António Gomes Costa
Aumentaram as infrações graves, incluindo condução sob o efeito de álcool, que subiu de 59 para cerca de 280 casos. Os dados foram revelados na cerimónia do 131.º aniversário do Comando de Aveiro, que se realizou em S. João da Madeira, e onde os representantes máximos da PSP não pouparam elogios à esquadra sanjoanense. O evento contou com a presença da Secretária de Estado, Isabel Oneto.
Estatísticas

669 Visualizações

Outras Acções
Comentar Imprimir Aumentar Diminuir Restaurar
Mais fotos

A criminalidade no concelho de S. João da Madeira diminuiu 12,7 por cento (de 604 para 527) em 2017, em relação ao ano anterior, e a condução sob o efeito de álcool e infrações graves passou de 59 para 279 casos, um aumento de 372,9 por cento. Os dados foram revelados na cerimónia do 131.º aniversário do Comando Distrital de Aveiro da PSP, que se realizou pela primeira vez em S. João da Madeira.
A cerimónia decorreu na Casa da Criatividade e, além do presidente do Município, Jorge Vultos Sequeira, o encontro reuniu ainda a Secretária de Estado Adjunta e da Administração Interna, Isabel Oneto, do Diretor Nacional da PSP, superintendente-chefe Luís Farinha e também o Comandante Distrital da PSP, Serafim Tavares.
Segundo o Comandante Distrital, a criminalidade violenta e grave em S. João da Madeira reduziu no ano passado, fixando-se nos 26,9 por cento (26 para 19). O mesmo não aconteceu com o número de pessoas detidas (29 para 36), o que equivale a um aumento de 24,1 por cento.
Relativamente às operações policiais desta esquadra, aumentaram em 2,4 por cento em relação a 2016. Quanto ao número de viaturas fiscalizadas, o aumento é de 55,7 por cento e o excesso de velocidade baixou de 337 para 313, uma redução de 7,1 por cento.
No âmbito das infrações da legislação rodoviária, a destacar ainda um decréscimo nas infrações leves, de 44,6 por cento (5037 para 2789), as graves, que também incluem álcool,  (839 para 579), uma redução de 31,5 por cento
Relativamente ao Distrito de Aveiro, em 2017, a criminalidade, na área de intervenção da PSP, baixou 0,2 por cento (4309 ocorrências) em relação ao ano anterior, tendo sido o terceiro ano com menos crimes dos últimos 15 anos.
No caso da criminalidade violenta (com 187 casos), também baixou, fixando-se nos 2,1 por cento. As operações de fiscalização aumentaram 13, 7 por cento e as operações rodoviárias também sofreram um aumento de 9,6 por cento. Quanto ao número de veí­culos fiscalizados, houve 72.595, o que significa um aumento de 3,5 por cento.
Na ocasião, o Comandante Distrital destacou o trabalho que a Esquadra sanjoanense tem realizado relativamente ao patrulhamento, investigação, fiscalização, entre outros, assumindo que “há um que se destaca, há pelo menos 18 anos, o policiamento de proximidade”.
Perante uma plateia atenta, recordou que, em 2004, enquadrada no «Programa Escola Segura», e em parceria com a Câmara Municipal de S. João da Madeira, “foi criada nesta esquadra” a Escola de Educação Rodoviária, que “ainda hoje é composta por uma sala de aulas e uma pista devidamente sinalizada para a educação rodoviária infantil” e que “ainda tem bastante utilidade”, lembrou.
Serafim Tavares disse também que a esquadra sanjoanense “tornou-se pioneira na implementação do Modelo Integrado de Policiamento de Proximidade”, tendo sido, por isso, “considerada uma Esquadra Piloto, entre 26 esquadras a nível nacional”. Atualmente, para além do Programa «Escola Segura», este modelo passou a incluir também os Programas «Apoio à Vítima», «Idosos em Segurança», «Comércio Seguro» e «Operação Férias».


“PSP, um parceiro decisivo e fundamental da autarquia”

No momento mais aplaudido da cerimónia, o presidente de Câmara de S. João da Madeira homenageou o Comissário Carlos Duarte, antigo comandante da PSP de S. João da Madeira, “grande entusiasta do policiamento de proximidade que, em 2008, demonstrou grande coragem e abnegação ao serviço da PSP, no âmbito de uma operação de proteção de equipamentos muni­cipais, tendo colocado, em operação, a sua vida e a sua integridade física em risco”, reconheceu.
Jorge Vultos Sequeira assumiu que a relação da PSP com o município tem sido “pautada pelo êxito” e garantiu que esta força policial “é um parceiro decisivo e fundamental da autarquia e da nossa comunidade, em especial a educativa”, realçando o papel dos agentes responsáveis pelo programa da Escola Segura, “uma marca forte da nossa esquadra, com grande sucesso”, que, no seu entender, tem “aproximado a PSP dos professores, da comunidade educativa, em especial dos alunos, que sentem pela polícia um carinho muito especial”, assegura.
Por sua vez, a Secretaria de Estado reconheceu que os números apresentados na cerimónia “revelam bem o empenho que tem vindo a verificar-se, ano após ano, na redução das taxas de criminalidade”. Esta responsável assegurou que o Governo “reconhece” o trabalho da PSP e “acompanhamos cada esquadra, cada divisão, procurando responder às necessidades”, enfatizou.
Por sua vez, Luís Farinha alertou para a necessidade de “reforçar as capacidades dos comandos territoriais, em termos de meios operacionais e capacitação técnica, melhorando o seu poder de atuação global de primeira intervenção”, assumiu.
Este responsável disse também: “não obstante os constragimentos existentes, e por todos conhecidos, continuará a ser uma aposta estratégica da direção nacional, para o quadriénio iniciado em 2017, este reforço da valorização humana, profissional e técnica dos seus homens”, garantiu o superintendente-chefe.

Polícias sanjoanenses distinguidos

No decorrer da cerimónia, o Comando reconheceu vários elementos policiais que foram distinguidos pelo seu desempenho profissional, procedendo à imposição de medalhas e à atribuição de louvores. Relativamente à esquadra de S. João da Madeira, foram entregues a medalha de três estrelas (equivalente a 30 anos de serviço) ao Chefe Manuel Pinho Amorim; duas estrelas (20 anos de serviço) ao chefe Carlos Martins Ferreira e ao agente principal Carlos Manuel Laranjeira.
Relativamente à medalha de ouro (25 anos de serviço com exemplar comportamento) foram atribuídas duas. José António Rodrigues foi um dos agentes que recebeu a medalha de ouro. Em declarações aos jornalistas, frisou que “são 25 anos a trabalhar em prol da sociedade”.
Vítor Canadinhas, chefe de brigadas à civil, na esquadra da PSP de S. João da Madeira, não escondeu a felicidade ao receber a medalha de ouro. 25 anos que, no seu entender, representam principalmente a “compreensão” da polícia por todos estes anos ao serviço prestado à população. Aos jornalistas lembrou as “dificuldades” da profissão, muitas vezes em lidar com o cidadão, o que considera ser um “acréscimo de responsabilidade quando lidamos com direitos e liberdades das pessoas”.

Câmara oferece viatura nova à PSP

Em dia de aniversário, o município de S. João da Madeira entregou à PSP a tão “desejada” viatura para reforçar os meios afetos ao Programa «Escola Segura», no concelho. Trata-se de um automóvel hibrido que “visa o desenvolvimento operacional”, no âmbito daquele programa de “grande sucesso”. A medida, inscrita no orçamento do município para 2018, surgiu da identificação da grande “necessidade”, após uma reunião entre a autarquia e os responsáveis da PSP. O autarca recordou ainda o papel dos agentes deste programa, destacando em especial a figura e a dedicação do agente “Tonecas”.
A este propósito, o agente “Tonecas”, como é conhecido junto dos alunos, revelou que “este carro é uma prenda” e que a resposta destes profissionais “chegará agora mais rápida”, gracejou.

Rosa Maria parte em missão dia 11

Presente na cerimónia, Rosa Maria Gomes, Comissário da Esquadra de S. João da Madeira, não escondeu aos jornalistas a satisfação em receber esta comemoração da PSP em S. João da Madeira e de todos os elogios feitos à esquadra que dirige. Esta responsável está de partida, dia 11, no próximo domingo, para uma missão internacional na República Centro Africana. Trata-se do “maior desafio da minha carreira profissional”, assumiu. Desconhece ainda qual será o seu grande papel nesta missão, mas está disposta a dar muito de si, “ajudar e transmitir ensinamentos”, seja “numa escola a lecionar, no policiamento”, pois tudo dependerá das “provas a que vamos ser submetidos”.
Duma coisa tem a certeza: está preparada para este desafio e espera representar a “PSP e Portugal” o melhor possível, mesmo sabendo que terá pela frente “dias difíceis”, pois a “estabilidade do país está muito abaixo, estão em constante guerrilha, existem 16 grupos rebeldes”.

Carlos Duarte foi muito aplaudido na cerimónia

Visivelmente emocionado, Carlos Duarte, antigo comissário da PSP de S. João da Madeira, não escondeu aos jornalistas a satisfação e o grande prazer ao ouvir o seu nome ser lembrado nestas comemorações. “Permitiu-me recuar no tempo e recordar os bons momentos”, e um longo trabalho na esquadra de S. João da Madeira, que “tanto prazer me deu”, não escondendo a satisfação do reconhecimento que Jorge Sequeira lhe prestou durante a cerimónia. “confesso que não esperava”.
Recorde-se que Carlos Alberto Duarte, agora ao comando da Investigação Criminal, em Espinho, caiu do telhado da piscina interior, no Complexo Desportivo Paulo Pinto, a 28 de Julho de 2008, quando comandava a investigação, após o alerta, supostamente, destes jovens para uma ameaça de bomba. O certo é que os jovens nunca foram vistos e, quando o agente se preparava para descer, uma telha de fibrocimento cedeu e ele caiu de uma altura de cerca de sete metros no chão de cimento, a escassos metros do tanque da piscina.
Carlos Duarte esteve em coma várias semanas, tendo passado pelos hospitais S. Sebastião (Feira) e Prelada (Porto), onde esteve internado vários meses e sujeito a várias intervenções cirúrgicas, tendo ficado com incapacidade no dia-a-dia de 70 por cento.
Apesar do acidente, assumiu aos jornalistas que não “censuro ninguém e estou muito orgulhoso do que eu fiz nesta cidade, com um grupo de pessoas”. Recordou a boa relação que sempre teve com as associações e considera por isso que teve a vida “facilitada com todas as instituições” e, mais do que um desafio, foi “materializar um gosto”, concluiu.
Lembre-se que a esquadra de S. João da Madeira nasceu no dia 9 de Fevereiro de 1961, tendo sido criado um Comissariado de Polícia, com 29 elementos, e constituída uma Comissão Administrativa do Corpo de Polícia do Distrito de Aveiro.
Instalada na cidade, a esquadra começou a funcionar à meia-noite de 11 para 12 de Novembro de 1961, nas instalações da Rua João de Deus. O atual edifício da Esquadra da PSP de S. João da Madeira foi inaugurado em 16 de Maio de 1994, pelo então ministro da Administração Interna, Manuel Dias Loureiro.





 

Comentar

Anónimo