Ciclo «Somos Nós» nos Paços da Cultura
Silêncio que se vai cantar o fado
08-03-2018 | por Paulo Guimarães
Estatísticas

399 Visualizações

Outras Acções
Comentar Imprimir Aumentar Diminuir Restaurar
Mais fotos

No âmbito do ciclo «Somos Nós», na passada sexta-feira, 2 de março, os Paços da Cultura foram palco para mais um espetáculo em que o talento dos sanjoanenses esteve em destaque. Uma noite dedicada ao fado com as vozes de Ângelo Oliveira, Cristina Moleira, Teixeira de Sousa e Teresa Oliveira, quatro sanjoanenses com uma grande paixão pelo fado, Património Imaterial da Humanidade.
Tratou-se do segundo momento do projeto «Somos Nós», uma iniciativa da Câmara Municipal de S. João da Madeira, que tem como objetivo apresentar, ao longo do ano, o que de melhor se faz na cidade, explorando toda a dimensão criativa da comunidade, que tem assim a oportunidade de subir ao palco e mostrar o seu talento em espetáculos com entrada gratuita. Apesar do frio, chuva forte e trovoada, a que se juntou a concorrência de um grande dérbie de futebol, na televisão, não foram fatores impeditivos para uma casa quase cheia, numa grande noite dedicada à canção nacional.
Este grupo de sanjoanenses, que se revê no fado de uma forma apaixonada, trouxe a palco uma diversidade de temas, que conseguiu colocar o público a cantar. A noite abriu com Teixeira de Sousa, com uma história longa no fado, que começou na cidade do Porto e passou pela Alemanha, cantando para a comunidade de portugueses ali radicados. De regresso à sua cidade, instalou-se de armas e bagagens e, semanalmente, proporciona à cidade noites de “fado vadio”, no seu espaço comercial, o Mística Bar.
De seguida, foi a vez de Teresa Oliveira, que herdou esta paixão pelo fado do seu pai e avô. O mais experiente, Ângelo Oliveira, que assume que o fado lhe “corre nas veias”, foi o terceiro a subir ao palco dos Paços da Cultura, local que já conhece bem. Abrindo com uma homenagem a S. João da Madeira com um fado da sua autoria, dando depois lugar à mais recente voz sanjoanense nestas andanças, Cristina Moleira, que apenas começou a cantar em público em 2014.
No final da primeira parte do espetáculo, houve tempo para divulgar o concerto de Aldina Duarte, que acontece amanhã, 9 de março, na Casa da Criatividade, e para a realização de um sorteio com a oferta de cinco entradas para ouvir uma das boas vozes do fado nacional.
Na segunda parte, os protagonistas voltaram a pisar o palco, tendo sido ainda possível ver e ouvir o dueto de pai e filha, Ângelo Oliveira e Teresa Oliveira, sem antes terminar com o fado de Coimbra e a homenagem a Ângelo Vieira Araújo, um dos nomes mais consagrados entre as vozes dos estudantes.
Uma noite bem passada onde a guitarra de Luís Carvalho e a viola de Manuel Alves foram indispensáveis para complementar um espetáculo que, segundo os participantes, se espera que tenha sido o primeiro de muitos mais, até porque o talento “mora ali ao lado”, e em S. João da Madeira muitas mais vozes se podem ouvir a cantar o fado. E quem desfrutou desta noite só pediu para que muito em breve se possa voltar a dizer: “silêncio que se vai cantar o fado”.

 

Comentar

Anónimo