Futebol
Campeonato de Portugal - Série B - 1.ª volta
Empate no dérbi em boa resistência ao teste de ferro
11-01-2018 | por António Santos
Estatísticas

669 Visualizações

Outras Acções
Comentar Imprimir Aumentar Diminuir Restaurar

Sanjoanense, 1 - Cesarense, 1

ADS: Cristiano, Castro, Igor, Ken, Almeida, Teles, Júlio, Syzhi, Esteves, Murilo, Tiago Borges
Jogaram ainda: Mateus (62’) Leo (71’)
Suplentes: Ivo, Abubu, Micoli, Leo Mateus, Pedro Tavares

Cesarense: Diogo Almeida, João Almeida, Guilherme, Cauè, Chapinha, Maurício, Julinho, Diogo, Ângelo, Pardal, Fábio
Jogaram ainda: Lucas (57’) Diogo Mota (70’) João Miguel (83’)  
Suplentes: Raphael, Edu, Guga, Pedro Nova, Lucas, Diogo Mota, João Miguel  
Amarelos - ADS: Teles e Castro. Cesarense: Fábio, Guilherme (dois mais vermelho)   

Sanjoanense empatou a uma bola no dérbi frente ao Cesarense, dividindo os pontos na jornada 15 do Campeonato de Portugal Série B, 1.ª volta, que terminou no passado domingo. Este resultado determinou, neste caso, que o campeão de Inverno é o Espinho, após derrotar por 4-0 o Cinfães, assumindo assim a liderança. Quanto aos alvinegros, estão fora da linha de despromoção, embora com os mesmos 18 pontos do SC Coimbrões, beneficiando de oito golos de vantagem.
Quanto ao jogo, para já uma nota positiva para Tiago Borges, este reforço de Inverno, um avançado acabado de chegar e já marcou pela Sanjoanense.
A 15.ª jornada prometia emoções fortes e lutas acesas. Por um lado, a Sanjoanense recebia o Cesarense, uma das equipas-sensação do campeonato, sabendo que um deslize podia ser fatal no que toca a ocupar a zona de despromoção.
Fernando Pereira, na página do Facebook da ADS, fazia a antevisão da partida: “vai ser um jogo intenso e muito competitivo. As duas equipas vão querer vencer, mas a nossa equipa a jogar em casa vai ser forte e agressiva no objetivo que temos, conquistar os três pontos.
Vamos respeitar o adversário, uma equipa que defende bem e neste momento é a equipa com menos golos sofridos no campeonato. Vamos explorar todos os seus pontos fracos e ser consistentes durante o jogo todo. Faço um apelo aos nossos adeptos e à Força Negra, que têm sido parte fundamental na nossa caminhada, para comparecerem no jogo. Todos juntos vamos lutar pelos três pontos”. E o apoio não faltou, o Estádio Conde Dias Garcia registou uma boa moldura humana.
Os homens de São João da Madeira nunca descuraram as suas responsabilidades e entraram cientes da necessidade de dar conta do seu próprio “recado”. Impondo o seu jogo, os comandados de Fernando Pereira tentavam gerir a posse de bola e procuravam espaços de penetração numa bem composta e organizada defesa do Cesarense, que raramente o consentia. Por cima no jogo estava o Cesarense, que ia em busca do golo e, aos oito minutos, Ângelo remata com muito perigo sobre a direita, com a bola a bater na rede lateral. Aos 17’ é Chapinha a rematar cruzado, com o esférico a sair perto do poste direito da baliza. Depois, na jogada seguinte, a bola entra na baliza a remate de Ângelo, mas o lance, precedido de fora de jogo, não contou.
Novamente Ângelo aparece com perigo e dá canto. Cantos que só na primeira foram seis, tal o caudal ofensivo da formação comandada por Carlos Secretário em bola parada, pelas inúmeras faltas cometidas pelo Cesarense. Exemplo disso foi o amarelo mostrado a Fábio, aos 21’, é que a Sanjoanense ia criando perigo e aos 28 minutos Esteves, de fora da área, desferiu um potente remate numa boa oportunidade de golo. Responde o Cesarense e de bola parada, 35’, livre, com Julinho a cabecear de cima para baixo com muito perigo. Aos 39’, Guilherme comete falta e vê amarelo. Almeida, na marcação do livre, mete a bola na área e na confusão de pernas sai remate com a Sanjoanense à beira do golo. Os alvinegros carregavam e, apenas três minutos depois, num contra-ataque rápido, Júlio, 42’, com um passe magistral, coloca a bola no estreante avançado alvinegro Tiago Borges que, descaído pela direita, remata e bate Diogo Almeida, fazendo o 1-0. A pressão era cada vez maior e acabou por dar frutos ao intervalo.
A Sanjoanense saía para o descanso com uma vantagem que se justificava, não pelo domínio demonstrado, mas pela máxima eficácia, com um golo marcado que valia a vitória nos 45 minutos disputados.
A segunda parte, porém, seria completamente diferente, um pouco a fazer lembrar a primeira metade da eficácia e, com apenas 1’ decorridos, a Sanjoanense, por intermédio de Teles, de fora da área, desfere um remate portentoso e obriga Diogo Almeida à defesa da tarde, evitando o golo com a bola a “beijar” a base do poste, neste que foi considerado pelo guarda-redes o regresso a uma casa onde nasceu para o mundo do futebol, cedendo o primeiro canto da ADS dos quatro conquistados no total nesta partida.
O Cesarense conquistou nove cantos em toda a partida. O Cesarense ia criando desequilíbrio e, como quem não marca sofre, aos 51’, numa enorme falha defensiva, Chapinha, pela direita, entra na área e oferece o golo do empate a Júlio Alves, que só encostou para o fundo das redes do desamparado Cristiano. Apenas um minuto volvido, o Cesarense fica reduzido a dez unidades, Guilherme vê o segundo amarelo e é expulso pelo árbitro da partida, Gustavo Correia. Uma enorme contrariedade para Carlos Secretário.
Aos 71’, Syzhi remata fora da área, com a redondina a passar junto ao poste direito da baliza do Cesarense. Oito minutos depois, na sequência de um canto com a bola colocada ao segundo poste, Igor, de cabeça, não acerta com o alvo. Aos 76’, o perigo junto da baliza do Cesarense era constante, Leo, que tinha entrado para substituir Syzhi, remata mas para fora. Entretanto, Mateus já tinha rendido Júlio e Fernando Pereira, técnico alvinegro, queria o golo e respondia colocando “toda a carne no assador”.
Entrava Leo saia Júlio. O técnico do Cesarense tentava “remendar” a desvantagem numérica, fez entrar Lucas por Chapinha,João Miguel por saída de Diogo, e Diogo Mota por Ângelo. Aos 79’, através de bola parada, Diogo marca o livre e Júlio Alves de cabeça obriga Cristiano a uma grande defesa.    
Contudo, o 1-1 acabaria por aparecer para brindar as duas equipas e o resultado não mais se alterou. E o 1-1, perante a difícil formação do Cesarense, era já motivo de felicidade, pela divisão de pontos e, claro, festejaram os adeptos.
O trio de arbitragem que viajou do Porto, Gustavo Correia auxiliado por Roberto Santos e João Nogueira, estebe bem técnica e disciplinarmente.   
Em vésperas de um Sanjoanense-Camacha, que se joga no próximo domingo, é urgente vencer no Conde Dias Garcia. A Sanjoanense parte para a 2.ª volta naquele que pode ser um jogo importante, sabendo que não poderá manter-se no lugar que ocupa e a depender só de si.

Comentar

Anónimo