Tertúlia na vida é preciso sorrir
Tertúlia de luto
07-12-2017
Estatísticas

224 Visualizações

Outras Acções
Comentar Imprimir Aumentar Diminuir Restaurar

Faleceu, recentemente, o tertuliano António José de Figueiredo. O saudoso extinto, além de grande amigo, foi um ilustre sanjoanense que subiu na vida a pulso.                
Começou a trabalhar, ainda jovem, como empregado de calçado, em S. João da Madeira. Ao fim de alguns anos de trabalho, tornou-se num profissional competente. O seu valor, a sua persistência, a sua grande iniciativa e vontade de vencer fizeram com que procurasse voos mais altos.
Por isso, emigrou para a Venezuela, tornando-se ali, simultaneamente, industrial e comerciante de calçado.
Todavia, passados alguns anos, regressou a Portugal, à sua terra natal, para se dedicar ao mesmo ramo de actividade. Continuou, então, como industrial, após ter comprado uma quota na fábrica de calçado Magia, a funcionar no lugar das Fontaínhas. Mais tarde, concretizou o sonho de ter como sócio na Magia o saudoso industrial Vieira Araújo, proprietário da Viarco.
Contudo, para ele, ser apenas industrial era pouco. Assim, o seu dinamismo e capacidade de trabalho transbordantes levaram-no a membro da Direcção da Sanjoanense, onde, como dirigente, colaborou, sempre que era necessário, nas modalidades da eclética ADS.
Nesta sua missão, houve uma ocorrência, infelizmente violenta, que contava muitas vezes. Há algumas décadas atrás, ele foi a Guimarães com o a equipa de hóquei em patins. Por causa das peripécias do jogo, verificou-se um desentendimento grave que levou a uma cena de pancadaria. O saudoso D. Pipas, lutador de Luta Livre, ainda travou os agressores vimaranenses durante bastante tempo. Depois, como eram muitos, não conseguiu aguentar mais, pelo que só não foram sovados os sanjoanenses que conseguiram fugir. Claro que a notícia sobre esta ocorrência saltou para os diários do dia seguinte cheia de fotografias de jogadores da ADS cobertos de hematomas...
Balanço: Os feridos tiveram de se curar e a modalidade de hóquei em patins do Guimarães foi irradiada, irradiação essa que julgo que ainda se mantém.
O tertuliano António José Figueiredo faleceu. Mas guindou-se na vida para patamar elevado, quer na sua profissão, que desenvolveu à custa de muito trabalho, iniciativa eficaz, persistência, dinamismo e vontade de vencer, quer, socialmente, pelo serviço voluntário que prestou aos outros, designadamente aos atletas de todas as modalidades da ADS. E, por outro lado, foi sempre um grande colaborador e companheiro da Tertúlia. Deixa-nos, por isso, muitas saudades.
Paz à sua alma e sentidas condolências à família.

P’la Tertúlia                                                                                                                                                       

O presidente
António Nicolau

Comentar

Anónimo