Vitrais…
30-11-2017 | por Carlos A. Matos
Estatísticas

465 Visualizações

Outras Acções
Comentar Imprimir Aumentar Diminuir Restaurar

Esta é a segunda foto que publico dos quatro vitrais existentes no interior da Capela de Santo António. Neste vitral, vemos o Santo de braços abertos a pregar aos peixes, e junto a ele, estão quatro homens debruçados sobre a água, surpreendidos por os ver à superfície a escutar Santo António.                                                             
Por baixo deste vitral, está uma lápide com a seguinte inscrição:
                                        
OFERECIDO PELA EX.MA SENHORA
ENEDINA ALVES LEITE GARCIA
ESPOSA DO SENHOR
MANUEL LEITE DA SILVA GARCIA
25.DEZEMBRO.1934
      
Encontrei o texto original “sermão”, na página da Biblioteca Digital da Porto Editora, cujo documento contém VI capítulos que se expandem por trinta folhas em papel A4.
O “Sermão de Santo António aos peixes”, foi declamado no Estado do Maranhão, Brasil, a 13 de Junho de 1654 – dia de anos de S. António - pelo Padre António Vieira, inspirado no Santo português, na forma como descreve a sua narrativa e em bases semelhantes ao nosso pregador.
      

Do Evangelho: “Vós sois o sal da terra” (Mateus, 5)
Inicio: “Vós, diz Cristo Senhor nosso, falando com os pregadores, sois o sal da terra: e chama-lhes sal da terra, porque quer que façam na terra o que faz o sal.”
(…)“Quanto mais que o são da minha doutrina, qualquer que ele seja, tem tido nesta terra uma fortuna tão parecida à de Santo António em Arimino, que é força segui-la em tudo. Muitas vezes vos tenho pregado nesta Igreja, e noutras,
de manhã e de tarde, de dia e de noite, sempre com doutrina muito clara, muito sólida, muito verdadeira, e a que mais necessária e importante é esta terra, para emenda e reforma dos vícios que a corrompem”.                                      . “   
   “O fruto que tenho colhido desta doutrina, e se a terra tem tomado o sal, ou se tem tomado dele, vós o sabeis e eu por vós o sinto”.                                         
(…)“Enfim, que havemos de pregar hoje aos peixes? Nunca pior auditório. Ao menos têm os peixes duas boas qualidades de ouvintes: ouvem mas não falam”.
(…)“Haveis de saber, irmãos peixes, que o sal, filho do mar como vós, tem duas propriedades, as quais em vós mesmos se experimentam: conservar o são e preservá-lo para que se não corrompa. Estas mesmas propriedades tinham as pregações do vosso pregador Santo António, como também as devem ter as de todos os pregadores”
(…)“Se a Igreja quer que preguemos de Santo António sobre o Evangelho,  dê-nos outro”.                                                                                                   
(…)“Vos estis sal terra. È muito bom o texto para os outros santos doutores: mas para Santo António vem-lhe muito curto. Os outros santos doutores da Igreja foram sal da terra. Santo António, foi sal da terra e foi sal do mar”.
   Com palavras do Padre António Vieira, termino, por ora, este meu trabalho: “Este é o assunto que eu tinha para tomar hoje”.                

(continua)

Nota: Este pequeno texto, foi ordenado de acordo com o percurso do sermão, nos capítulos I e II.
 
 

 

Comentar

Anónimo