Hóquei em Patins
Campeonato Nacional da 2.ª Divisão - 9.ª Jornada
Uma Sanjoanense de luxo com poker de João Cruz
30-11-2017 | por Augusto Lopes
Estatísticas

503 Visualizações

Outras Acções
Comentar Imprimir Aumentar Diminuir Restaurar

Sanjoanense, 7 - Famalicense, 1

Jogo: Pavilhão dos Desportos da A.D. Sanjoanense
Árbitros: Paulo Santos e Sílvia Coelho do C.R.A.H.P. do Porto

Sanjoanense: Marco Lopes (cap); Pedro Cerqueira, João Cruz, João Almeida e Afonso Santos
Ainda utilizados: Alex Mount, Tiago Almeida, Bruno Moreira e Pedro Rego
Não utilizado: Bernardo Moreira
Treinador: José Carvalho

Famalicense: Nuno Magalhães; Luís Filipe (cap), João Paulo Marques, César Carvalho e Rui Silva
Ainda utilizados: Hélder Gomes, Tiago Pimenta e Serafim Silva
Não utilizados: Hernâni Campos e Tiago Azevedo
Treinador: Paulo Morais

Resultado ao intervalo: 4-1
Marcadores: João Cruz (8’, 17’, 20’ e 49’), Afonso Santos (9’), Rui Silva (21’), Pedro Cerqueira (29’) e João Almeida (30’)
Disciplina: Nada a assinalar
Faltas: Sanjoanense 9 (4+5) – Famalicense 14 (8+6)

Se já há a aldeia do hóquei (Turquel), por que não a cidade do hóquei (S. João da Madeira)? Ver aquele pavilhão, perdão, queria dizer, caldeirão, a vibrar, a cantar, cachecóis no ar, toda aquela coreografia espontânea, não é só bom, é maravilhoso, é algo que por muitos que queiram não conseguem. Porquê? Porque cidade do hóquei só há uma, S. João da Madeira.
A Sanjoanense apresentava-se perante o seu público depois de uma vitória concludente em casa de um adversário também talhado à subida, Ac. Cambra, que era até essa altura comandante invicto, depois de também ter ganho a outros concorrentes ao primeiro lugar, Riba d’Ave, Ac. Espinho e, agora, Famalicense, pelo que, depois deste jogo, tem mais cinco pontos do que o segundo classificado, sendo que este tem mais um jogo realizado, o melhor ataque de todas as equipas com oito jogos efetuados e a melhor defesa de todo o campeonato.
Os alvinegros desequilibraram a partir da primeira parte, com a eficácia que se lhe reconhece e, assim, aos oito e nove minutos, o resultado já era de dois zero, com golos de João Cruz e de Afonso Santos, para chegar aos quatro zero com mais dois golos de João Cruz, aos 17 e 20 minutos. Só depois é que os famalicenses marcaram o seu golo, resultado com que se chegou ao final da primeira parte.
Na etapa complementar, Pedro Cerqueira conseguiu cedo “arrumar” com o jogo ao obter o quinto golo. No minuto seguinte, os alvinegros ainda tiveram a oportunidade de elevar novamente o marcador mas, na marcação da grande penalidade, o guardião visitante opôs-se ao defender o remate de Pedro Cerqueira. Mas ainda de bola parada haveria, no entanto, de chegar o sexto golo alvinegro e, ainda dentro do minuto cinco, na marcação de livre direto, João Almeida, numa execução bem conseguida, aumentou a vantagem, o que não aconteceu no minuto 18, também em livre direto, João Almeida a permitir a defesa de Nuno Magalhães.
Com o jogo controlado, a Sanjoanense só marcou, no entanto, segundos antes do termo do encontro, com mais uma vez João Cruz a fazer as delícias da enorme massa humana que estava no “caldeirão”, obtendo assim o resultado final e, consequentemente, o seu quarto golo. Um poker que ele e também a equipa bem mereceu.

Próximo Jogo
Taça de Portugal

Sábado, 2.Dez.2017 - às 18h00
Escola Livre Sanjoanense

Comentar

Anónimo