Natação ADS/Fepsa
Infantis e juvenis ADS/Fepsa amadurecem na Mealhada
30-11-2017 | por Natação ADS/Fepsa
Estatísticas

454 Visualizações

Outras Acções
Comentar Imprimir Aumentar Diminuir Restaurar

Mealhada recebeu, no passado fim-de-semana, o Torneio Nadador Completo, prova regional para infantis e juvenis. A ADS/Fepsa alinhou com: Luísa Macedo (juv), Mariana Azevedo (inf), Mariana Costa (inf), Laura Pinho (inf), Margarida Cunha (inf), Ana Morais (inf) e Rúben Paiva (inf). Somados de um conjunto de 17 clubes participaram 218 atletas (113 masc. e 105 fem.).
O propósito era o de testar os nadadores neste tipo de competição (cinco diferentes provas obrigatórias: 100 Livres, 100 Costas,100 Bruços, 100 Mariposa e 200 Estilos), avaliar comportamentos competitivos, apreensão e sensibilidade aos resultados, astúcia e gestão nos diferentes momentos, ao pouco tempo de recuperação entre prestações e à relação e reacção que tudo isto tem e provoca entre si.
Os infantis, considerado um escalão de formação, são o prelúdio, o princípio do tempo, o factor que fará as equipas crescerem, a primeira circunstância, o que liga o ensino da natação ao treino planeado, conceito que daí poderá levar ao futuro.
Os juvenis são considerados os para além desta natureza, pois deverão abranger já muitos dos factores do conjunto, tais como: carácter e vida de atleta, fundamentos técnicos e bases físicas. O conceito é reforçado, define e revela o lugar que o atleta pode vir a ocupar como júnior, como sénior, como absoluto.
Voltando para Mealhada do passado fim-de-semana, merecem destaque os lugares de Top 8 de Luísa Macedo 7.º (juv A) e de Rúben Paiva, 8.º (inf B). Os 1.ºs lugares, entre oito diferentes escalões, foram distribuídos por: em masculinos, CGA (2), ACRTVC (1), AEJ (1); e em femininos, CGA (1), CDE (1), CNVA (1) e CSAAXXI (1).
Muitos dos nadadores ADS/Fepsa foram castigados com desclassificações devidas a pormenores técnicos incorrectos. No entanto, neste espaço do “jogo”, antes da dispersão, num instante de reflexão, podemos ainda encontrar os laços que ligam o que foi feito com o que há para fazer: o menos bom e o melhor, ou seja, pré-angular as ideias justas, ao cunho dos próximos eventos.
Os indivíduos praticantes são muitos e diversos e a natação é um desporto individual. Mas a equipa é só uma, ela é o nosso total, o nosso tecido do tempo; contudo, queremos fazer da natação o desporto individual mais colectivo que existe.

 

Comentar

Anónimo