Festival de Comédia de 15 a 18 de Novembro
Gargalhão já cativa público de todo o país
09-11-2017 | por António Gomes Costa
A terceira edição do festival de comédia Gargalhão, de S. João da Madeira, vai acontecer de 15 a 18 de Novembro e está cheia de novidades. Uma peregrinação humorística pelas fábricas do concelho, um espectáculo de humor negro e, pela primeira vez, uma mulher comediante está entre os convidados, são alguns dos momentos altos de um festival que se estende já a todo o país e caminha para a sua internacionalização. A edição deste ano regressa também com o humor às escolas básicas, e depois do vinho (Gargalhão), nasce uma “Ginjinha” cheia de humor.
Estatísticas

405 Visualizações

Outras Acções
Comentar Imprimir Aumentar Diminuir Restaurar
Mais fotos

Já não se trata de um festival só de S. João da Madeira. O Gargalhão - Festival de Comédia de S. João traz à cidade público de todo o continente e poderá, muito em breve, ser um festival que sairá do país, uma vez que a selecção dos artistas destaca-se pelos “maiores” nomes da comédia nacional.
O programa da edição deste ano fala por si. De 15 a 18 de Novembro, a Sala dos Fornos, na Oliva Creative Factory, (espaço onde a ideia do festival nasceu), volta a ser o palco principal do festival para quatro noites de espectáculo ímpares e de diversão nas suas diferentes vertentes no que toca ao fazer rir, reunindo os grandes nomes da comédia de quase “todas as zonas de Portugal”.
O desejo do professor de turismo e humorista há cerca de 15 anos foi, desde a primeira edição, colocar a sua cidade a sorrir. Pedro Neves, produtor todo o evento, será o grande anfitrião da noite e só subirá ao palco “para apresentar os seus amigos”.
A terceira edição do Gargalhão, que conta com o apoio da Câmara Municipal, já abrange todo o tipo de público e está repleta de novidades. A peregrinação humorística pelas fábricas do concelho é uma das primeiras novidades e dá o pontapé de saída no dia 15, quarta-feira, com quatro humoristas - Paulo Baldaia, Joca Silva, Zé Pedro e Joel Ricardo Santos - na linha da frente. “Queremos perceber o impacto que terá uma simples pausa de humor junto dos trabalhadores, e se a mesma contribuirá para a motivação destes funcionários”, já que as pessoas motivadas “geram valor acrescentado”, e na opinião do seu mentor o festival de humor, “poderá ter um grande contributo a esse nível”.
Um dia depois, e como aconteceu na edição do ano passado, o “Seabra vai à escola” com nove estabelecimentos de ensino na agenda. À noite, a partir das 21h45, surge mais uma novidade desta edição. A Sala dos Fornos receberá um espectáculo de humor negro, sem regras de «Overdose de Tourette».  Neves reconhece que existe cada vez mais “um público fiel a este tipo de humor” que, no seu entender, não deverá ser  “misturado com o de uma noite generalista”, uma vez que se trata de um público muito diferente. Entre a ascensão de youtubers, e com as redes sociais em alta, Manuel Cardoso, Diogo Batáguas, Rui Cruz e Paulo Almeida, estes comediantes “negros” prometem hora e meia com uma encruzilhada de narrativas politicamente incorrectas.
Na sexta, 17, João Seabra continua o périplo pelas escolas, antes da chegada de mais uma noite de fortes gargalhadas com elenco de luxo, às 22 horas, já com a stand-up comedy como mote, saindo à cena Carlos Moura, Francisco Menezes e Fernando Rocha, “um residente do Gargalhão”.

“Cidade bem-disposta”

O humorista sanjoanense, conhecido pelas suas participações em programas como o «Levanta-te e Ri», na SIC, «Sempre em Pé», na RTP ou «Bolhão Rouge» no Porto Canal, deu conta aos jornalistas que a edição deste ano tem ainda como novidade a primeira mulher a participar no festival na etapa derradeira, também a partir das dez da noite. Trata-se de Sofia Bernardo, “que poderá ser uma das grandes surpresas do festival”, e partilhará o palco com Dário Guerreiro, Miguel Sete Estacas e Aldo Lima no encerramento do festival.
Com a segunda edição nasceu o vinho “Gargalhão”, pois Pedro Neves assumiu-se, desde logo, um adepto da boa mesa e, por isso, aproveitou o evento para lançar a marca do vinho do festival da zona do Alentejo, considerado não ser muito “leve” e que durante o decorrer do festival chegou a vários restaurantes da cidade.
Este ano, a par do vinho, será apresentada a ginjinha homónima, numa fusão de humor com sabor no bar, onde também será servida a cerveja artesanal “Alma” do “mestre” e comediante João Seabra.
“Este é um festival feito para a cidade. Eu quero que S. João da Madeira seja uma cidade de trabalho, de qualidade de vida, social e que seja uma cidade bem-disposta”, assegurou Pedro Neves.
José Nuno Vieira, em representação do Município, começou por considerar o evento uma “marca na cidade e na região”. O vereador revelou ainda que o festival “é um exemplo daquilo que a cidade tem conseguido com a Oliva Creative Factory, com a instalação de novas empresas em áreas distintas e que têm conseguido projectar-se através destas infra-estruturas”, assumindo o total apoio para a realização do evento por parte do município.
Segundo a organização, são esperadas ao longo dos quatro dias, cerca de cinco mil pessoas. Os bilhetes podem ser adquiridos na Casa da Criatividade, no Núcleo de Arte, nos Paços da Cultura, em S. João da Madeira, e nas bilheteiras online habituais.  O bilhete para o primeiro Show terá um preço de sete euros. Os restantes o preço do bilhete é de 10 euros, enquanto que a  ida às escolas e fábricas não terá qualquer custo.

Comentar

Anónimo