No Instituto de Línguas Helena Nicolau
Os últimos dias das duas Alemanhas
09-11-2017 | por Ana João Nicolau Borges
Estatísticas

86 Visualizações

Outras Acções
Comentar Imprimir Aumentar Diminuir Restaurar
Mais fotos

Exposição de fotografia do Goethe Institut assinala aniversário da queda do Muro de Berlim
Depois do Muro e antes de reunificação. O fotógrafo Lívio Senigalliesi captou o período que separa os dois momentos da história recente alemã. Uma seleção de 15 dessas fotografias está atualmente em exposição no Instituto de Línguas Helena Nicolau. «Quando o Muro Caiu - Instantâneos dos Anos 1989/1990» é uma mostra do Goethe Institut doada à escola sanjoanense, que assinala os 28 anos sobre a queda do Muro de Berlim comemorados esta quinta-feira.
Durante quase 30 anos, o Muro de Berlim separou fisicamente a capital atual da Alemanha, funcionando como uma fronteira entre a República Federal da Alemanha, sob domínio americano, inglês e francês, e a República Democrática da Alemanha, gerida pelos soviéticos. O acordo de dividir a Alemanha entre os vencedores da 2.ª Guerra Mundial vigorava desde o fim do conflito, mas só em 1961, para travar a emigração do leste para o ocidente, se traduziu numa barreira física.
O Muro de Berlim caiu a 9 de novembro de 1989 e o país foi oficialmente reunificado a 3 de outubro de 1990, um data que é celebrada hoje como o Dia da Unidade Alemã. Contudo, a efetiva integração entre as duas Alemanhas é um processo ainda em curso com muitas feridas abertas.
Lívio Senigalliesi, jornalista italiano, chega a Berlim em novembro de 1989 para documentar os acontecimentos de então. Fotografa a cidade, o Muro e as pessoas. Na primavera de 1990, viaja para a antiga RDA, onde capta cenas de uma sociedade que em breve desapareceria. São essas fotografias que podem ser vistas no IL desde a semana passada, a preto e branco, no formato A2.
A exposição surge no Instituto de Línguas Helena Nicolau no âmbito do ensino da língua alemã, reativado em 2014 e tendo garantido já certificações A1 e A2 aos alunos que se submeteram a exame no Goethe Institut do Porto. “Esta exposição tem gerado muito interesse em quem nos visita e aumentou também a curiosidade dos nossos alunos em relação à língua e cultura alemãs. Esperamos continuar este tipo de colaborações com o Goethe Institut, são uma mais-valia para a nossa escola e um incentivo à aprendizagem da língua”, sublinha a diretora da escola, Ana João Borges.
Repórter de guerra e colaborador regular de organizações não governamentais, o fotógrafo Lívio Senigalliesi tem contribuído com trabalhos para o “Photo Desk” do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados.

 

Comentar

Anónimo