Novo pároco da freguesia chega à cidade no próximo domingo
Padre Milheiro despediu-se dos sanjoanenses
19-10-2017 | por António Gomes Costa
Centenas de pessoas assistiram, no último domingo, à missa de despedida da paróquia de Domingos Milheiro, que assegurou os destinos da igreja sanjoanense nos últimos 19 anos. O abade anunciou que lhe faltam as forças neste momento para liderar a vida de uma “grande paróquia”. Álvaro Rocha, o novo pároco da paróquia, chega no próximo domingo à cidade.
Estatísticas

874 Visualizações

Outras Acções
Comentar Imprimir Aumentar Diminuir Restaurar

Com 76 anos de idade, e 19 dedicados à paróquia de S. João da Madeira, Domingos Milheiro despediu-se dos paroquianos na sua última missa na igreja Matriz, que lutou de fiéis, no passado domingo, dia 14.
O abade na mensagem de despedida anunciou que “chegou a hora de assumir apenas o trabalho que não me atire já para a dependência”. Na hora da despedida, o “vosso abade”, como fez questão de destacar, lembrou os vários problemas de saúde que tem vivido nos últimos anos e que o obrigaram ao afastamento temporário da paróquia.
 Apesar de nos últimos tempos ter regressado à paróquia onde ia concelebrando, participava na novena e em algumas celebrações, “agora, sinto-me melhor, mas sem energia para prosseguir como dantes”, confessa.
Domingos Milheiro, natural de Escapães, Santa Maria da Feira, tinha já assumido à nossa reportagem que irá levar “muitas recordações” do tempo em que conduziu os destinos da igreja sanjoanense. “Foram anos muito bons que vivi em S. João da Madeira. Muita coisa foi feita, outras ficaram por fazer, gostava de ter feito mais e melhor”, disse, mas garantindo que “tentei cumprir o meu papel”.
De salientar que Domingos Milheiro foi ordenado padre em 1974, na diocese do Porto. Trabalhou em Eiriz, Sanfins, Paços de Ferreira e Alpendorada e, antes do 25 de Abril de 74, esteve em Timor. Chegou a S. João da Madeira em Novembro de 1998. “Agora, tudo vai caminhando para o fim e, alguma sabedoria dos anos, foi-me dizendo que não terei muito mais tempo. Se formos fortes chegaremos aos outros. Faltam as forças para liderar a vida de uma grande paróquia e tenho a necessidade de buscar um pouco mais de tranquilidade”, anuncia o abade.
Domingos Milheiro descobriu muito cedo que queria ser padre. Diz não ter a certeza se foi pelo facto de o seu padrinho ter sido padre e o influenciou, ou da amizade que o seu pai sempre teve com o abade da sua terra natal, mas o certo é que, já na 4.ª classe, a sua professora primária, natural de S. João da Madeira, referia que um dia o seu aluno iria ser padre.

“Dou graças a Deus pelos anos vividos ao serviço da Igreja”

Em jeito de despedida, o abade anunciou na sua mensagem: “dou graças a Deus pelos anos vividos ao serviço da Igreja, da diocese e da região, cuidando da evangelização e catequese, da liturgia e oração, da caridade e solidariedade, da cultura e das pessoas. Obrigado pela vossa amizade e carinho”, concluiu.
Numa entrevista a ‘O Regional’, Domingos Milheiro garantiu que, tal como outros padres, duvidou da sua opção. «Claro que sim, existem sempre muitas dúvidas e incertezas, como tudo na vida. Sempre achei que poderia ser qualquer coisa na vida, como professor ou engenheiro, e isso esteve sempre em jogo, pois uma reflexão desta natureza não é feita de uma só vez. Acho que a ideia começou a ser amadurecida depois dos 18 anos, quando senti que estaria na altura de começar a tomar posições e assumir compromissos mais sérios». Um padre também lida no dia-a-dia com os mesmos sentimentos, emoções e contradições: «tanto estou a casar ou a baptizar como no mesmo dia estou a enterrar pessoas e é muito difícil lidar com determinadas emoções». Ao fim de todos estes anos, o abade garantia-nos: «Eu ainda não me habituei a fazer funerais, procuro que todos eles sejam muito semelhantes e tento não colocar muita emoção porque é o caminho mais fácil mas é também o mais perigoso».
O novo pároco de S. João da Madeira chega à cidade dia 22 de Outubro. Álvaro Rocha, até agora padre de Foz do Sousa, será o novo abade, substituindo Domingos Milheiro, que chegou à paróquia sanjoanense em Novembro de 1998.
Álvaro Rocha, de 50 anos, Assistente do Núcleo Centro-Norte do CNE, foi ordenado padre a 14 de Julho de 1991, será recebido numa celebração religiosa na igreja Matriz, acompanhada pelo Grupo Coral da Igreja, numa cerimónia de boas-vindas ao novo abade, pelas 15h30 horas, na Igreja Matriz de S. João da Madeira, onde é esperado um elevado número de paroquianos que pretendem acolher o seu novo Padre.

Comentar

Anónimo