Inicialmente prevista conclusão para Agosto
Obras na Urgência estão “ligeiramente” atrasadas
14-09-2017 | por António Gomes Costa
Tinham como data prevista de conclusão o mês de Agosto. As obras no Serviço de Urgência Básica do Hospital de S. João da Madeira estão “ligeiramente atrasadas”, fruto de alguns obstáculos técnicos encontrados. A primeira fase deverá ficar concluída dentro de poucas semanas, o que permitirá que a admissão dos doentes seja feita já na nova recepção. Trata-se de um investimento de 200 mil euros.
Estatísticas

425 Visualizações

Outras Acções
Comentar Imprimir Aumentar Diminuir Restaurar

As obras no Serviço de Urgência Básica do Hospital de S. João da Madeira estão ligeiramente atrasadas, uma vez que a sua conclusão estava prevista para o passado mês de Agosto. “Esperamos terminar a primeira fase dentro de poucas semanas, o que permitirá que a admissão dos doentes se faça pela nova recepção, assim se avançando para a fase final da obra. Fruto disso, o calendário das obras está um pouco atrasado, o que lamentamos”, garantiu Miguel Paiva, presidente do Conselho de Administração do Centro Hospitalar de Entre Douro e Vouga (CHEDV).
Os trabalhos tiveram início em Maio deste ano e, apesar de todo o transtorno da situação, “gostaríamos, por isso mesmo, de salientar a compreensão dos nossos utentes e dos nossos profissionais, o que tem permitido que os serviços continuem a ser prestados sem grandes problemas”, reforça.
Relativamente ao atraso da empreitada, o administrador explica que, ao longo da execução dos trabalhos de remodelação do serviço de urgência desta unidade de saúde, “foram encontrados alguns obstáculos técnicos, que eram totalmente imprevistos inicialmente e que obrigaram a fazer algumas alterações ao projecto”.
A intervenção tem como objectivo garantir um maior conforto aos utentes e familiares do Hospital de S. João da Madeira, uma vez que a mesma não era “funcional”, e as obras em curso visam melhorar a área de entrada na Urgência.
A empreitada, orçada em aproximadamente 200 mil euros, é totalmente financiada por fundos próprios do hospital.      
Entre médicos, enfermeiros, administrativos, técnicos superiores de saúde e assistentes operacionais, o serviço é assegurado por cerca de 30 pessoas contratadas, que, desde Janeiro deste ano, reforçam o Serviço de Urgência Básica nesta unidade, além de vários equipamentos. O serviço dispõe, ainda, de “todos os meios” complementares de diagnóstico adequados e a presença de dois médicos durante 24 horas.
Desde o início dos trabalhos que tem sido disponibilizada “informação permanente aos utentes”, na recepção do hospital, cujos números, desde a abertura deste serviço (1 de Janeiro até 30 de Junho de 2017) rondam os 19.675, sendo que a média diária é superior a 100 utentes, número que, para a administração, demonstra confiança da população neste serviço.
Aquilo que se continua a verificar é uma grande procura de utentes de Santa Maria da Feira a este serviço. Uma procura muito próxima da população sanjoanense que ali recorre ao serviço.

Comentar

Anónimo