Autárquicas 2017
“Cavaleiro: uma formiga de trabalho”
27-07-2017 | por António Gomes Costa
Paulo Cavaleiro apresentou a sua candidatura à Câmara Municipal de S. João da Madeira pela coligação PSD/CDS. A iniciativa, que acolheu cerca de 400 apoiantes, contou com a presença do ex-líder do PSD, Marques Mendes, do deputado do CDS-PP João Almeida e de Castro Almeida, mandatário de campanha e ex-autarca sanjoanense. Entre as várias prioridades do programa, o candidato destacou projectos como a requalificação da EN223 e a Linha do Vouga. Sem esquecer a construção da nova piscina. De uma forma geral o candidato, actual vice-presidente da autarquia, é reconhecido como um candidato bairrista, trabalhador, com forte paixão pela terra, grande espírito de iniciativa, conhecimento e experiência concreta das matérias.
Estatísticas

1460 Visualizações

Outras Acções
Comentar Imprimir Aumentar Diminuir Restaurar
Mais fotos

O candidato do PSD e actual vice-presidente de Câmara de S. João da Madeira, Paulo Cavaleiro, assegurou, na passada terça-feira, durante a apresentação da sua candidatura à presidência do município nas próximas eleições que conhece S. João da Madeira “como as pedras desta calçada, onde tantas vezes brinquei em criança com os meus amigos”, referindo-se ao largo de Santo António, local escolhido para esta sessão, que decorreu no dia 25 de Julho.
E é com um forte sentido de “responsabilidade” que Paulo Cavaleiro, 43 anos, casado e pai de dois filhos, assumiu, perante uma multidão de populares, a sua candidatura pela coligação do PSD/CDS. “Faço-o com total disponibilidade para continuar a servir, como sempre, a minha cidade, com a determinação necessária para reforçar o projecto autárquico que tem assegurado um desenvolvimento imparável a S. João da Madeira, um projecto autárquico cujas marcas fortes são bem conhecidas de todos”, anunciou.
O candidato começou por dedicar as primeiras palavras à família e teve alguma dificuldade em esconder a emoção, uma vez que são eles o seu grande alicerce. Nesta sua primeira corrida à Câmara, defendeu cinco grandes desígnios: “proximidade, transparência, exigência, dedicação e criatividade”.
Partindo do lema da candidatura «Sentir S. João de Alma e Coração», destacou também cinco “palavras-chave” que vão caracterizar a acção desta sua candidatura: «Sentir (a cidade), ouvir (os Sanjoanenses), cuidar (de quem mais precisa e dos espaços públicos), trabalhar (pelo progresso de S. João da Madeira) e colaborar (com as forças vivas do concelho)».
Quanto a propostas para estas eleições, “o filho da terra”, como é conhecido, destacou várias prioridades. Na educação, pretende lançar um novo ciclo de investimentos na reabilitação, requalificação e apetrechamento das escolas. Na cultura, ambiciona dar vida à Casa do Lápis e da Ilustração no Palacete do Rei da Farinha. Quanto ao ambiente, destacou a ampliação do Parque do Rio Ul, incluindo a beneficiação da Casa da Natureza e a criação e dinamização de novos espaços. No que diz respeito à sustentabilidade, assumiu o compromisso de investir na melhoria da eficiência energética e na mobilidade eléctrica.

Pacote de compromissos

Quanto ao urbanismo, Paulo Cavaleiro pretende revitalizar a área que vai da Praça Luís Ribeiro até à zona da Oliva, incluindo o Mercado Municipal, no âmbito do Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano de S. João da Madeira.
Já no âmbito do reforço da coesão social, o candidato quer disponibilizar novas tipologias para habitação social, de forma a adequar a oferta de habitação às necessidades actuais.
Ao nível fiscal garantiu dar continuidade à política de redução dos impostos municipais, apoiando as famílias, instituições e empresas, tornando a cidade mais atractiva para se “viver e investir também nesta vertente”.
Como prioridades na área económica, defendeu o processo para a ampliação da Sanjotec, que contribuirá para reforçar “ainda mais a nossa economia”. Relativamente às acessibilidades e transportes, falou de dois dossiês que diz conhecer bem desde os tempos em que esteve no Parlamento: a EN223 e a Linha do Vouga. Prometeu insistir junto do Governo no sentido de “concretizar a beneficiação da EN223, no troço que permite a ligação de S. João da Madeira ao nó de acesso à A1”.
No pacote de compromissos, a revitalização da Linha do Vouga, também está entre as prioridades, pois considera ser “um investimento estratégico para desenvolver a nossa cidade e região e dar mais vida aos equipamentos de qualidade que temos”. Encontrar uma solução para a construção das novas piscinas municipais também é uma prioridade. “O financiamento europeu de três milhões de euros está irremediavelmente perdido pela irresponsabilidade de uns poucos que travaram a vontade da larga maioria”. Durante a sua intervenção, recordou que os sanjoanenses não são pessoas de “desistir”, por isso “vamos à luta para concretizar este sonho”, enfatizou.
O candidato reconheceu o muito que a cidade tem vindo a alcançar ao longo da sua história, assumindo aprofundar a linha de rumo dos mandatos de Castro Almeida e do actual presidente da câmara, Ricardo Figueiredo: “essa é a base sólida a partir da qual abriremos novas perspectivas de desenvolvimento e afirmação de S. João da Madeira”. O candidato pretende dar um novo impulso à cidade, tornando-a atractiva para trabalhar e para se viver. “Uma cidade de todos e para todos”. Assim, defende com a sua candidatura “não governar a Cidade e os Sanjoanenses mas, sim, governar a cidade com os Sanjoanenses!”.
A cerimónia de apresentação contou com a presença do ex-líder do PSD, Marques Mendes, do deputado do CDS-PP João Almeida de Castro Almeida, mandatário de campanha e ex-autarca sanjoanense.  

“Cavaleiro, um trabalhador incansável”

O Mandatário da campanha lembrou que o Cavaleiro tem uma vida política muito “intensa” e coloca a sua terra “acima de tudo, no centro do mundo e, se um dia tiver que escolher entre o partido e a cidade, escolhe com toda a certeza a cidade e isto é muito importante quando se escolhe um presidente de câmara, pois o partido é um instrumento”, afiançou.  
Castro Almeida reconheceu no candidato um “trabalhador incansável, um homem que está bem preparado para assumir as funções a que se propôs. Demorou 20 anos a preparar-se e feliz de uma terra que tem um candidato bem preparado assim”. Reconhecendo que “sondagens não ganham eleições”, o mandatário apelou ao voto num candidato que não “larga as causas em que se mete”, acreditando que, com o Cavaleiro como presidente da Câmara, a cidade irá ter a tão esperada piscina. “Como S. João da Madeira merece”, disse.
João Almeida começou por destacar que as duas forças políticas (PSD/CDS) são dois partidos que “contribuíram” para aquilo que é hoje S. João da Madeira. Quanto à candidatura de Paulo Cavaleiro, defendeu que “temos uma enorme convicção de que este projecto faz sentido, esta coligação faz sentido”, mas “nenhum projecto tem a consistência suficiente se não tiver uma liderança à altura e que puxe por todo o resto”, assegurado que Cavaleiro é o “líder que nós precisamos para esta coligação”, rematou.

Nas autárquicas, as pessoas contam mais do que os partidos

Marques Mendes, ex-líder do PSD, defendeu na sua intervenção que nas eleições autárquicas os partidos contam, mas “as pessoas contam muito mais do que os partidos” e essa foi uma das razões que o fez aceitar o convite para a apresentação oficial candidato da coligação (PSD/CDS). Para o também comentador do Jornal da Noite, na SIC, o nome de Paulo Cavaleiro é uma grande escolha para as eleições de Outubro próximo. “Trata-se de uma pessoa séria, tem uma capacidade de trabalho notável, é uma verdadeira formiga de trabalho e de um bairrismo que impressiona”, ao ponto de assumir que “ninguém tem maior paixão pela terra do que ele paixão pelo trabalho, espírito de iniciativa e de empreendedorismo”. E tudo isso é “uma garantia para a terra, pelos anos de experiência na Câmara de S. João da Madeira, experiência na Assembleia da República, domina todos os assuntos e dossiers em concreto. O Paulo Cavaleiro sabe tudo, porque estuda e porque trabalha e isso é uma garantia”, assumiu o antigo líder do PSD, Luís Marques Mendes.

Comentários
Anónimo | 07-08-2017 13:35 cavaleiro uma formiga de trabalho
cuidado com ele quer e tacho deixem se enganar depois queixem se
Anónimo | 01-08-2017 14:47 Não será antes "um rato de sacristia"?
Conhece tão bem os meandros da politica local que aniquila quem se opõe! Foi para isso que andou a colar cartazes desde os 10 anos de idade. Morre de inveja do Pedro Nuno Santos!
Anónimo | 28-07-2017 14:16 Nas autárquicas, as pessoas contam mais do que os partidos
Se assim é porque será que fizeram as malas ao Ricardo Figueiredo e ao Miguel Oliveira?

Comentar

Anónimo