Ricardo Queirós
Adjunto do presidente da Câmara dispensado
16-06-2017 | por AGC
Estatísticas

791 Visualizações

Outras Acções
Comentar Imprimir Aumentar Diminuir Restaurar

O ambiente junto da bancada do PSD e dentro do município parece tudo menos pacífico. Esta semana, Ricardo Queirós, adjunto do presidente da Câmara e membro da comissão política concelhia do PSD de S. João da Madeira, foi dispensado das funções que desempenhava no município há vários anos.
“Se o adjunto quer manifestar e manifestou uma posição política diferente do presidente, uma vez que ocupa um cargo de confiança política, não tem condições para continuar a ser adjunto”, tendo sido exonerado por “não ter essas condições”, assegurou à nossa reportagem Ricardo Figueiredo. O autarca garante não se tratar de falta de confiança ou de qualquer questão pessoal. “É uma decisão política diferente. O adjunto tem que ter legitimidade total para ter uma posição política diferente”, só que o mesmo “não pode é ser adjunto se não comunga da visão política do presidente”, defende.
Questionado sobre o assunto Ricardo Queirós refere que ao longo de 16 anos teve “o privilégio de trabalhar com dois presidentes de Câmara e a oportunidade de fazer parte de uma equipa que foi uma referência na vida política na cidade”. Classifica todo este tempo como “anos de intensa dedicação à Câmara e à causa pública e de realização pessoal e profissional”, finalizando que agora está na hora de me dedicar a “outros projectos”.            

Comentários
Anónimo | 22-06-2017 10:58 Vão descer
No próximo mandato os novos boys não poderão subir além do 6.º piso.

José Ferreira
Anónimo | 21-06-2017 13:36 Porquê Senhor Presidente
O Dr. Ricardo Queirós é um elemento muito útil e conhecedor. O senhor manda-o embora e como ele é funcionário de uma instituição de Oliveira de Azeméis vai pra lá trabalhar. Assim perdemos nós e ganha Oliveira. Mal pensado Presidente Ricardo Figueiredo.
Anónimo | 20-06-2017 09:57 E se
Caso seja o PS a ganhar as próximas eleições, vai fazer o mesmo, os boys já se perfilam, basta ver quem anda a acompanhar o candidato. Com uma agravante, é tudo gente inpreparada.
Anónimo | 16-06-2017 14:49 Pois, pois....
Tantos anos tão próximo do poder que por vezes se julga ser ele o poder!
Independentemente da razão do presidente, não fazia sentido continuar a manter uma pessoa que pensa diferente dele, no cargo que exercia!

A Câmara precisa de uma lufada de ar fresco, com gente sem manias de que são os donos do município! Há uma grande falta de humildade desses boys que se julgam gente importante por viverem muito tempo no sétimo piso do fórum municipal! Que se servem da política sem servirem a política!

Comentar

Anónimo