“Novo Rumo - 2017-2024”
Mais de nove milhões de euros para tratamento de águas residuais na região
16-06-2017 | por António Gomes Costa
A adjudicação da obra foi entregue a uma empresa privada e tem um custo superior a nove milhões de euros. A Associação de Municípios das Terras de Santa Maria procedeu à adjudicação e assinatura do contrato de Operação, Reabilitação e Manutenção do Sistema de Tratamento de Águas da região - “Novo Rumo” - 2017-2024. O encontro contou com a presença do Secretário de Estado do Ambiente.
Estatísticas

411 Visualizações

Outras Acções
Comentar Imprimir Aumentar Diminuir Restaurar
Mais fotos

Trata-se de um investimento superior a nove milhões de euros. A Associação de Municípios das Terras de Santa Maria (AMTSM) apresentou e procedeu à adjudicação e assinatura do contrato de Operação, Reabilitação e Manutenção do Sistema de Tratamento de Águas da AMTM, que contou com a presença do Secretário de Estado do Ambiente, Carlos Martins.
Este encontro decorreu na sede da AMTSM, em S. João da Madeira, na passada terça-feira, dia 13, e teve como objectivo “analisar e debater as principais questões relativas ao saneamento de águas residuais urbanas, tendo em vista a implementação de estratégias que permitam um melhor nível de qualidade de serviço”.
O Sistema de Tratamento de Águas Residuais (STAR) da AMTSM, que abrange os concelhos de S. João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Santa Maria da Feira e Vale de Cambra, procede à drenagem e tratamento dos efluentes provenientes das redes municipais. Este contrato irá permitir a renovação de “toda a rede de esgotos” designada “Novo Rumo – 2017-2024”, que atravessa o Rio  Ul, que nasce na freguesia de Romariz, em Santa Maria da Feira, até à ETAR do Salgueiro, em Oliveira de Azeméis. “Trata-se de um sistema que está em funcionamento há já algum tempo, algum tem a tubagem muito antiga, com sinais de desgaste e, por isso, era necessário todo este investimento para assegurar que continuamos a ter um bom tratamento de esgotos e ainda para promover um melhor transporte dos esgotos até à ETAR, para evitar alguns problemas que já se encontravam a acontecer, nomeadamente no Salgueiro”, garantiu aos jornalistas Emídio Sousa, presidente da AMTSM.

“Bom entendimento entre os seis municípios”

Emídio Sousa destacou ainda o “bom entendimento” que existe entre os seis municípios da AMTSM, uma vez que “percebemos que este problema é comum”, reconhecendo que “uma resposta conjunta seria melhor do que uma individualizada” e, além da “economia de meios”, este entendimento permite resolver “o problema de três territórios”, garante.
A intervenção estende-se por aproximadamente 16 quilómetros e  passa por instalar novos equipamentos na ETAR, nomeadamente na elevação inicial, obra de entrada, decantadores secundários, tratamento de lamas, digestão e cogeração, assim como nas diversas instalações eléctricas e de automação.  
“A obra já existe e acusa já a sua idade” e a intervenção que agora começa vai envolver “terrenos privados”, linhas e terrenos com alguma dificuldade de intervenção. “Trata-se de uma obra exigente, mas que tem que ser feita”, refere este responsável.
Carlos Martins, Secretário de Estado do Ambiente, assumiu existir neste encontro em S. João da Madeira um “espírito muito aberto” entre os seis municípios para juntos encontrarem soluções para servir melhor as populações. O membro do Governo espera que os municípios que integram a AMTSM “possam cumprir aquilo que são os objectivos nacionais”, que passa por estarem “acima dos 80 por cento” quanto à taxa de cobertura das águas residuais, com tratamentos adequados, com rios despoluídos, com bandeiras azuis nas praias. Por outro lado, destacou a qualidade “elevada” da água em Portugal, sublinhando que a mesma ronda os 99,8 por cento.  
Carlos Martins acrescentou que os municípios da região souberam há muito “encontrar um enquadramento para gerir uma parte dos seus sistemas” e espera que a AMTSM possa continuar com a “inter municipalidade  para um conjunto de gestão de infra-estruturas”.
A adjudicação da obra foi entregue a uma empresa privada e o contrato vigorará pelo prazo de sete anos. O encontro  terminou com uma visita à ETAR do Salgueiro.

Comentar

Anónimo