Ultrapassados os obstáculos e de consciência tranquila pelo dever cumprido, outra atitude não seria de esperar do sanjoa
18-05-2017 | por Normando Oliveira
Estatísticas

521 Visualizações

Outras Acções
Comentar Imprimir Aumentar Diminuir Restaurar

Rumo ao progresso, as atenções devem concentrar-se na experiência administrativa do candidato ao município.
Na nossa cidade, onde funciona a democracia, não deve haver lugar à disciplina de voto partidária, que condiciona a consciência dos deputados nas assembleias, o que é de  lamentar.
S. João da Madeira já é uma grande empresa em franco progresso, graças às capacidades e dinâmicas empreendedoras que têm sido evidenciadas, revelando competências de gestão e administração.
O nosso concelho tem sido gerido e bem, como uma empresa, com todos os setores a funcionar das áreas da saúde, sócio-económica, educacional e  cultural, visando a continuação do desenvolvimento em favor dos sanjoanenses.
Para atingir estes objetivos, não é presidente quem quer, mas, sim, quem tem condições e conhecimentos para o poder ser. O município só tem a ganhar se tiver  liderança com experiência governativa e administrativa.
Também é importante que, ao nível dos deputados,haja competências reconhecidas e sentido de responsabilidade para um melhor desempenho das funções a assumir. Por isso, apela-se aos eleitores atenção na escolha dos candidatos.
Senhores deputados:
É de má memória e não deve voltar a repetir-se o episódio do passado recente, avalizado por alguns deputados, que penalizou o progresso da nossa cidade com prejuízos incalculáveis, aquando da votação da aprovação do orçamento para a construção das polémicas piscinas municipais. Com todo o respeito, foi a falta de capacidade e visão de futuro e de conhecimentos administrativos que originaram tal desfecho negativo.
Recordo a célebre assembleia municipal, então presidida pelo saudoso Dr. Josias Gil, eleito pelo PS, que na altura da discussão do assunto em apreço decidiu abandonar por momentos o lugar de presidente, para se dirigir à tribuna e publicamente demarcar  a sua posição contrária à do seu próprio partido. E, por dever de consciência, votou a favor da construção das referidas piscinas.
Gesto de enorme honra e nobreza de caráter que a memória jamais apagará e que deve servir de perpétua lição a quem se assume defensor dos interesses do povo e progresso da cidade.
No sistema democrático é sempre salutar as divergências de opiniões, quando bem intencionadas.
É da discussão que nasce a luz para se prosseguir o melhor caminho na sociedade que se deseja responsável e feliz.
Pelo progresso da nossa terra e bem estar do nosso povo.

Comentar

Anónimo