A simplicidade é tão bonita!...
18-05-2017 | por Maria de Lourdes
Estatísticas

125 Visualizações

Outras Acções
Comentar Imprimir Aumentar Diminuir Restaurar

Que dias tão grandes foram vividos em Portugal em 12 e 13 de Maio. Primeiro foi a visita do Santo Padre, o Papa Francisco. O líder da Igreja Católica tão referenciado pelos crentes e não crentes. Ele é o protótipo da ternura e dos afectos. É o verdadeiro símbolo da simplicidade! É o porta-voz de quem sofre, dos sem estatuto, dos marginalizados, dos não crentes.
Ele segue o exemplo de Jesus, quando O criticavam por ter ido dormir a casa de Zaqueu, considerado por todos os fariseus como sendo um ladrão que roubava às escondidas, porque era corrupto. Convidou Mateus, que era cobrador de impostos e que não era muito sério, para O seguir e o tornou Seu apóstolo. Consente que uma prostituta chore a sua má vida sobre os Seus pés e sem outro recurso os limpa com os cabelos. É criticado por quem O tinha convidado para almoçar em sua casa, por ele deixar que essa mulher tivesse tal gesto, pois o seu mau comportamento era de todos conhecido.
A quem O criticava, Jesus respondia:
- Quem precisa de médico são os doentes, isto é, Eu vim chamar os pecadores, a ovelha perdida, pois os crentes, os que me seguem, têm o problema resolvido. E, no alto da cruz, pede ao Pai que perdoe a todos os que contribuíram para a sua morte, dizendo-Lhe que eles eram como crianças que não sabiam o que faziam.
O Papa Francisco tocou toda a gente em Fátima pelo seu silêncio e pelas suas orações tão simples na capelinha das aparições e pela mensagem tão querida que dirigiu aos doentes.
Depois apelou aos presentes para não verem a Senhora de Fátima como a santinha a quem se pedem favores e graças a baixo preço, mas a Mãe que pega em cada um ao colo para o elevar até Deus.
Quebra o protocolo na sua viagem ao Egipto para ir ao encontro das pessoas que o querem tocar. Deixa a viatura que o protege, arriscando a vida neste país, onde tinha  havido um atentado aos cristãos coptas pela altura da Páscoa.
Em Fátima deixa  também  o  transporte onde seguia, para atender uma mãe que suplica a sua presença junto do filho, e tem também uma palavra de carinho para uma velhinha numa cadeira de rodas. Seguidamente, diz aos seguranças que vai a pé como peregrino até à capelinha das aparições.  Fica ali num silêncio comovente,  respeitado por cerca de meio milhão de pessoas presentes.
Um outro acontecimento que tocou os portugueses, e não só, foi a conquista do festival da canção da Eurovisão pelo  nosso Salvador Sobral. Que simplicidade de rapaz!... Enverga uma roupa simples, sem arrebiques, sem artifícios. A sua irmã, autora da música, também se apresentou de uma forma muito discreta, muito bonita  e ainda com um estilo de grande simplicidade.  A canção é uma ternura! É um apelo  ao amor pelo outro, ao diálogo, ao perdão  e um forte não à retaliação. A música é magistral. A interpretação do Salvador foi magnífica! O  próprio cenário, devido a ser uma canção sentimental, era muito sóbrio.
Na conferência de imprensa, que ele deu, disse que certas canções tinham muito fogo de artifício e muitos efeitos especiais, mas  que ele e a irmã  quiseram trazer ao festival uma canção de mensagem.
Muitos parabéns aos dois.

Comentar

Anónimo