Tribunal de Santa Maria da Feira
Médico que filmava pacientes adolescentes começou a ser julgado
19-04-2017 | por António Gomes Costa
Um médico de 64 anos está a ser acusado por filmar pacientes nuas durante consultas de rotina no Centro de Saúde de S. Roque, em Oliveira de Azeméis. O caso remonta a 2014 até meados de 2015.

Medico disfarçado na entrada da sala de audiências
Estatísticas

1420 Visualizações

Outras Acções
Comentar Imprimir Aumentar Diminuir Restaurar
Mais fotos

Começou a ser julgado, na passada terça-feira, dia 18, no Tribunal de Santa Maria da Feira, o médico de família suspeito de ter filmado com um telemóvel pacientes suas nuas durante o decorrer das consultas no Centro de Saúde de S. Roque, em Oliveira de Azeméis. Os fatos remontam a 2014, até meados de 2015 e, segundo a acusação, o médico colocava o telemóvel em cima da secretária dentro de um porta-lápis transparente. As vítimas são cinco raparigas com idades compreendidas entre os 11 e os 18 anos. O médico de família pedia às pacientes que subissem as camisolas para as auscultar. Segundo o Ministério Publico, era o médico que “desapertava o soutien das jovens expondo os respectivos seios, prosseguindo as manobras de auscultação, sempre em posição que permitissem o registo das imagens pela câmara do telemóvel”, refere a Lusa citando o MP.
A primeira sessão de julgamento, decorreu à porta fechada e, segundo se sabe, o médico optou por remeter-se ao silêncio.
Augusto Correia, de 64 anos, que está impedido de exercer actividade profissional, tanto no público como no privado, chegou ao Tribunal, segundo refere o JN, “disfarçado com uma peruca e de óculos para não ser reconhecido”. O arguido, terá tentado passar despercebido, uma vez que “esteve a aguardar pelo início do julgamento numa sala longe dos olhares públicos e dos jornalistas. Mais tarde, já junto à sala de audiência, surgiu sem a peruca e os óculos, num registo sorridente e descontraído. À saída, o arguido mudou de roupa e voltou a colocar a peruca para tentar escapar à comunicação social”, refere o JN.
De acordo com a investigação, o clínico descarregava os vídeos que filmava das jovens para computadores que tinha em sua casa bem como outros dispositivos de armazenamento de dados. Nas buscas realizadas à sua casa terá sido também encontrado outro material pornográfico, que envolvia adolescentes do sexo feminino.
Augusto Correia está acusado da prática de cinco crimes de devassa da vida privada, crimes de gravação ilícita e um de pornografia de menores.
A leitura do acórdão está marcada para dia 5 de Maio.

Comentar

Anónimo