LUZIA JOAQUINA BRUCE – DA HUMILDADE À BENEMERÊNCIA” - Um livro de Margarida Negrais
20-04-2017
Estatísticas

126 Visualizações

Outras Acções
Comentar Imprimir Aumentar Diminuir Restaurar

No dia quatro de Maio próximo, pelas 21,15 horas, na biblioteca de S. da Madeira, será apresentado o livro em título. Margarida Negrais é uma referência para esta cidade, dado que centrou aqui a sua carreira de professora do Liceu e aqui levou a efeito a apresentação das suas obras anteriores. O livro terá apresentação do escritor sanjoanense Manuel Córrego.      
Luzia Joaquina Bruce – Da humildade à benemerência” é uma narrativa biográfica que se situa entre a biografia documental e a biografia ficcional e que tem por objeto do discurso esta personalidade feminina que, nos finais do século XIX, foi uma das grandes beneméritas da Santa Casa da Misericórdia da cidade do Porto.
O título do livro foi a fórmula sintética encontrada para realçar a humildade grandiosa de Luzia e, ao mesmo tempo, o perfil de grande benemérita que ela foi e que o livro procura espelhar.
Companheira “de vida e de afectos” de João António de Lima, abastado brasileiro de torna-viagem que se estabeleceu naquela cidade e cuja toponímia ainda o recorda- o estádio do Lima, o Lima 5…- Luzia Joaquina Bruce , após a sua viuvez extemporânea, vem a tornar-se uma benemérita incansável e firme mas sempre humilde, na prossecução dos desejos formulados em vida pelo seu companheiro, João António de Lima, e potenciados igualmente pela sua própria personalidade de mulher bondosa e atenta às necessidades do seu semelhante.
Ainda hoje a cidade está grata a esta mulher maranhense (Brasil) pela edificação do Hospital da Lapa e pelos inúmeros atos de benemerência que foi espalhando pela cidade que a acolheu, sendo que a Santa Casa da Misericórdia do Porto foi a instituição que mais beneficiou da sua fortuna.
O livro é o relato em “flash-back” da vida aventurosa e venturosa desta mulher, exemplo de determinação e grandeza de sentimentos, que veio a falecer de forma trágica.
Ilustrado pelo médico-artista Prof. Doutor Levi Guerra, à época Presidente da Direção do Instituto Cultural D. António Ferreira Gomes, o livro é resultado de um protocolo cultural lavrado entre esta instituição e a Santa Casa da Misericórdia do Porto, sendo o “design” da autoria do ateliê João Borges.

 

Comentar

Anónimo