S. João da Madeira foi o centro da cerveja artesanal
13-04-2017 | por Pedro Gual
Estatísticas

635 Visualizações

Outras Acções
Comentar Imprimir Aumentar Diminuir Restaurar

A produção de cerveja artesanal é uma atividade económica que está em expansão no nosso país. Apesar da quota de mercado ser ainda relativamente baixa, cerca de 0,2 % em finais de 2016, o que é certo é que existem perto de 80 marcas de cerveja artesanal ativas, produzidas, principalmente, por micro e pequenas empresas situadas um pouco por todo o território nacional. O volume de negócios tem vindo a aumentar neste nicho de mercado. De acordo com os dados económicos disponibilizados pelo Banco de Portugal, entre 2012 e 2014 o número de empresas que apostaram nesta área passou de 13 para 34, tendo o volume de vendas subido de 207 mil euros, em 2012, para perto de 2 milhões de euros, em 2014. Em 2015 foram criadas mais 26 empresas e, em finais de 2016, já eram perto de 80 as empresas que se dedicam a esta atividade. Também o número de estabelecimentos comerciais dedicados exclusivamente à cerveja artesanal tem vindo a aumentar, sobretudo nos grandes centros urbanos, nos quais se pode encontrar o que de melhor se produz tanto no nosso país como no estrangeiro. Perante esta evolução de mercado, faz todo o sentido realizar festivais dedicados à produção e consumo de cerveja artesanal.
S. João da Madeira conseguiu fazer valer a sua posição de centralidade regional e albergar o primeiro festival cervejeiro do ano. A Oliva Creative Factory (OCF) provou ser um excelente equipamento também para este tipo de eventos. Com uma organização irrepreensível da qual a Câmara Municipal também fez parte, o festival Oliva Beer Mind contou com a participação de 22 produtores nacionais e estrangeiros que trouxeram à cidade, ao longo de três dias, uma oferta que foi, para a maioria dos visitantes, uma surpresa dada a quantidade e qualidade dos produtos apresentados.
A principal aposta do festival foi, como é natural, a componente de divulgação ao público desta indústria. Mais de 5 mil pessoas marcaram presença na Sala do Fornos da OCF. Mas destaco, igualmente, as sessões temáticas que decorreram ao longo do certame e que permitiram que produtores e empresários de outros setores se encontrassem e realizassem novas parcerias de negócios que serão, indubitavelmente, uma mais valia para os intervenientes entre os quais se encontram, também, algumas empresas sanjoanenses.
S. João da Madeira só tem a ganhar com iniciativas como esta. Toda a cidade lucra com este movimento de visitantes. Além de benefícios diretos na oferta hoteleira e na restauração, o nome S. João da Madeira ficará associado a uma cidade dinâmica, que oferece serviços de elevada qualidade, que assume um papel central na região onde está inserida e que dispõe de equipamentos únicos e de uma oferta atrativa. Todo o conceito “Oliva Creative Factory”, enquanto infraestrutura congredadora da atividade criativa no nosso concelho, saiu valorizado no passado fim de semana.
Quando o projeto OCF foi lançado pelo executivo municipal em 2012, muitos vieram por em causa a sua sustentabilidade. A dinâmica do projeto veio provar o contrário. Quem nos visita sabe que pode confiar na capacidade empreendedora que os sanjoanenses sempre demonstraram possuir.

Comentar

Anónimo