Pelos Sanjoanenses e por S. João da Madeira, agora e sempre!
13-04-2017 | por Ricardo Silva Pinto
Estatísticas

890 Visualizações

Outras Acções
Comentar Imprimir Aumentar Diminuir Restaurar

Na reunião de vereação realizada no passado dia 4 de Abril, fizemos notar que, no nosso entendimento, um presidente da Câmara Municipal que permite que os seus munícipes vivam em habitações sociais sem as mínimas condições de habitabilidade é um autarca que não é digno do cargo que ocupa. Esta observação veio a propósito do mau estado em que se encontra o parque habitacional municipal por culpa do PSD. No início deste ano, alertámos o presidente do Município para uma situação grave de infiltrações numa habitação social situada na rua Alberto Rodrigues Bulhosa, na Mourisca, tendo o mesmo garantido que o problema iria ser resolvido rapidamente, o que, infelizmente, não se veio a confirmar. Entretanto, e na sequência desta denúncia, fomos abordados por uma cidadã a dar conta de que o imóvel onde reside, localizado na praça da República, no Orreiro, também padece de uma situação de igual gravidade. Tanto num caso como no outro, os arrendatários já pediram a intervenção da empresa municipal de habitação por diversas vezes, sem que nada tenha sido feito até agora. Dissemos ao presidente da autarquia que está na altura de honrar os compromissos que assume. Os inquilinos pagam a renda a tempo e horas, pelo que a Câmara Municipal deve cumprir também com as suas obrigações. Lamentavelmente, a resposta dada por todos os membros do executivo do PSD foi um silêncio ensurdecedor. Uma coisa é certa, na campanha eleitoral que se aproxima todos eles vão bater à porta destes dois munícipes para prometer mundos e fundos, mas já todos nós sabemos o que é que vai acontecer. Nada!
Em matéria de cultura, apresentámos uma proposta com vista a instituir em S. João da Madeira o Dia da Cultura Lusófona, a ter lugar anualmente no dia 5 de Maio, promovendo-se nesta data actividades culturais típicas da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), com o envolvimento das associações e colectividades da cidade e de acesso público tendencialmente gratuito. É defendido pela CPLP que os Povos por si representados partilham de uma herança histórica, cultural e linguística que os une, feita de um percurso comum de vários séculos, que originou um património material e imaterial que urge preservar, valorizar e difundir. Neste sentido, a CPLP decidiu estabelecer a data de 5 de Maio como o Dia da Língua Portuguesa e da Cultura. Ora, há largos anos, residem nesta cidade centenas de cidadãos provenientes e com raízes familiares nos diversos Estados-membros da CPLP, pelo que faz todo o sentido implementar esta medida, tendo também em conta que o nosso concelho caracteriza-se pela diversidade e qualidade dos seus espaços e equipamentos culturais que são uma referência na região Norte do país e dispõe no seio da sua comunidade de associações e colectividades ligadas à área da cultura.
Salientámos ainda que, do nosso ponto de vista, as facturas de água referentes ao mês de Março deste ano são ilegais devido ao facto de terem sido emitidas de acordo com o novo tarifário e englobarem consumos correspondentes aos meses anteriores, quando na verdade o aumento do preço da água só foi aprovado pelo PSD no dia 7 de Março e para produzir efeitos nos consumos efectuados a partir do referido mês. Exigimos, por isso, que a autarquia diligencie junto dos serviços competentes para ressarcir os consumidores do custo indevidamente cobrado. Não obstante, e apesar de admitir a existência de um erro na proposta do PSD que ditou o aumento do tarifário de água, o presidente da Câmara Municipal negou-se a corrigir esta situação. Atitude deplorável de um partido que não se preocupa minimamente com as necessidades das famílias sanjoanenses, ao contrário do PS que tem centrado o seu foco sempre em defesa da população desta cidade. Agora e sempre, as pessoas!

Comentar

Anónimo