Conhecidos os vencedores desta primeira edição
«Guiões» é um "festival diferente e inovador"
27-11-2014 | por Joana Gomes Costa
Já são conhecidos os vencedores do «Guiões», o Festival Internacional do Guião Cinematográfico de Língua Portuguesa. «O Homem Descalço» de Camila Agustini conquistou o primeiro prémio, enquanto que «Por Toda a Vida, Carolina» de Leandro Franz e «Os Vampiros» de Filipe Melo foram os segundo e terceiro classificados, respectivamente. A primeira edição desta iniciativa registou um total de 281 candidaturas.
Estatísticas

1660 Visualizações

Outras Acções
Comentar Imprimir Aumentar Diminuir Restaurar

 

Um festival "diferente e inovador", que se centra "não em filmes, mas em guiões que podem resultar em filmes". Foi assim que o Director Regional de Cultura do Norte, António Ponte, classificou o «Guiões» – Festival Internacional do Guião Cinematográfico de Língua Portuguesa, ao destacar o facto de apresentar uma "abordagem diferente no panorama do cinema", na cerimóniaM que se realizou no passado dia 22 de Novembro, nos Paços da Cultura de S. João da Madeira e que incluiu não só a apresentação dos guiões finalistas, como a entrega de prémios.

Na sessão de abertura que marcou o arranque do «Guiões», Luís Campos, da Squatter Factory, projecto incubado na Oliva Creative Factory, que organiza esta iniciativa, avançou que este festival surgiu assente na "premissa" da "lacuna" identificada no âmbito dos guiões de língua portuguesa.

Helena Couto, presidente da Junta de Freguesia de S. João da Madeira, entidade que apoiou este evento, sublinhou o facto de ser organizado por um "grupo de jovens que está a iniciar uma actividade empresarial".

Destacando que S. João da Madeira tem sabido "se regenerar" ao longo da sua história, apoiando a "capacidade empreendedora e geradora de valor" inerente à identidade sanjoanense, o presidente da Câmara Municipal, Ricardo Figueiredo, sublinhou a importância da Oliva Crea­tive Factory na afirmação das indústrias criativas no concelho, a par com a promoção das chamadas indústrias tradicionais e tecnológicas. Âmbito do qual surge a Squatter Factory que, com a organização deste evento – que o autarca diz se inserir no "plano da língua portuguesa e da portugalidade" – está a "devolver à cidade a oportunidade que lhe foi dada", ao mesmo tempo que coloca "S. João da Madeira no epicentro da língua portuguesa".

Para Ricardo Figueiredo, o «Guiões» conseguiu também "declarar e provar que é possível uma empresa recém-criada por jovens" levar avante iniciativas como esta. "Mesmo os nossos sonhos mais vanguardistas se podem concretizar", afiançou, ao dizer que o festival prova ainda que a cultura e este tipo de eventos "não tem necessariamente que passar por entidades públicas".

Em representação do secretário de Estado da Cultura, António Pontes avançou a aposta e incremento do investimento no cinema em 2015, através, nomeadamente, da nova lei do cinema e audiovisual, anunciando também. para o próximo ano, o reforço da internacionalização do cinema nacional.

Forte participação do Brasil

 

Das 281 candidaturas submetidas ao «Guiões», a larga maioria foi proveniente do Brasil (80%), seguido de Portugal (17%) e Angola (2%) como países mais representados no concurso.

Entre os dez finalistas seleccionados, os vencedores foram divulgados no passado sábado. O Prémio Oliva Creative Factory foi conquistado pelo guião «O Homem Descalço» de Camila Agustini (Brasil). O segundo prémio coube a «Por Toda a Vida, Carolina», de Leandro Franz (Brasil), enquanto que o terceiro classificado foi «Os Vampiros» de Filipe Melo (Portugal), sendo que ambos receberam prémios relacionados com a actividade de escrita cinematográfica, como cursos gratuitos, softwares de escrita de guião ou livros de guionismo.

Na sessão do passado sábado, além da cerimónia de entrega dos prémios, houve palestras, debates, sessões de pitching e de networking com os principais agentes da indústria cinematográfica de língua portuguesa.

Comentar

Anónimo