Protocolos assinados
Oliva Creative Factory recebe colecção de Arte Bruta e cursos de restauro
23-05-2013 | por Joana Gomes Costa
Estatísticas

1899 Visualizações

Outras Acções
Comentar Imprimir Aumentar Diminuir Restaurar
Mais fotos

Na recta final da obra que vai transformar as instalações da antiga metalúrgica na moderna Oliva Creative Factory, o projecto começa a ganhar formas mais consistentes e, no âmbito das comemorações do aniversário da Cidade, no passado sábado, dia 18, foram dados mais dois passos nesse sentido com a assinatura dos protocolos para a cedência de uma colecção de Arte (muito focada na vertente da Arte Bruta) e para a criação em S. João da Madeira de uma delegação da Fundação Ricardo do Espírito Santo e Silva, que vai disponibilizar cursos na área do restauro.
A Colecção Treger / Saint Silvestre é composta por cerca de 600 obras de diferentes vertentes artísticas, embora com uma relação estética entre si. Além do destaque da Arte Bruta/Artes Marginais, a colecção conta também com obras de Arte Vodu – Haiti, de crucifixos contemporâneos (esculturas) e de Arte Contemporânea (pinturas, esculturas, cerâmicas).
Com base no protocolo que os donos da colecção, Richard Treger e António Saint Silvestre, assinaram esta semana, a cedência das obras é feita a título gratuito, por um período de três anos, renováveis.
Após a assinatura do protocolo, António Saint Silvestre agradeceu à Câmara o interesse na colecção, lembrando que esta foi constituída “não para uso pessoal, mas para ser vista por toda a gente”. “Não concebo uma colecção para ficar fechada”, afirmou, sublinhando que S. João da Madeira será o “único sítio” da Península Ibérica onde se vai poder ver Arte Bruta, uma vertente artística ainda pouco divulgada.
O protocolo firmado entre a Câmara e a Fundação Ricardo do Espírito Santo e Silva (FRESS) visa a instalação em S. João da Madeira de uma delegação desta instituição para o funcionamento de cursos de educação e formação na área do restauro (Pintura Decorativa e de Artes e Ofícios da Madeira nas especialidades de Marceneiro Embutidor e Marceneiro Entalhador), podendo estes vir a atingir o patamar de cursos de especialização tecnológica, os quais devem estar disponíveis já no ano lectivo 2013/2014. O Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) será a entidade promotora dos cursos.
O presidente do conselho directivo da FRESS, Luís Ferreira Calado, partilhou nesta cerimónia que a Fundação viu no interesse manifestado pela Câmara em estabelecer esta parceria entre as duas entidades a “oportunidade de encarar a hipótese de criar uma delegação no norte com pólo de educação”. Considerando que o “mercado do restauro está a funcionar mal”, Luís Calado criticou o facto de serem lançadas obras de recuperação do património tendo como principal critério de adjudicação o custo, alertando para eventuais “consequências” e para a “obrigação do Estado” em estar atento a esta matéria.
O objectivo da Fundação é “formar bons técnicos no domínio da conservação e restauro”, sendo que a delegação que será instalada em S. João da Madeira permitirá criar condições para que estes profissionais possam ter uma “preparação mais adequada”.
Luís Calado considerou “extraordinariamente louvável” a proposta da Câmara sanjoanense à Fundação, por ajudar no objectivo de “qualificar a mão-de-obra e proteger a forma como o país trata o património”.
O presidente da Câmara Municipal, Ricardo Figueiredo, destacou estes dois protocolos como mais uma “oportunidade para projectarmos S. João da Madeira internacionalmente”. Para o autarca, a requalificação e renascimento de edifícios com os quais a população tem uma “ligação afectiva forte”, como o Museu da Chapelaria, a Casa da Criatividade ou a Oliva, são exemplos da “capacidade que a cidade tem para ultrapassar a crise”. Na Oliva Creative Factory, um edifício que “albergava indústria pesada” é agora transformado num pólo de “indústrias criativas” e empreendedores “do material”.
“S. João da Madeira tem de se afirmar pela singularidade”, defendeu, considerando que a colecção de Arte Bruta Treger / Saint Silvestre (que se vai conjugar com a colecção de José e Norlinda Lima), vai “ter impacto na sedução de turistas internacionais”, colocando a Oliva Creative Factory “no mapa da arte mundial”.
A instalação da delegação da FRESS será “mais uma face deste diamante”, disponibilizando em S. João da Madeira uma oferta de “cursos com empregabilidade”.
Estando S. João da Madeira “de parabéns” pelo caminho percorrido nos 29 anos depois da sua Elevação a Cidade, Ricardo Figueiredo classificou as cerimónias de comemoração como uma “homenagem a todos os sanjoanenses que nos permitiram chegar aqui”, deixando uma palavra em especial a Castro Almeida, a quem destacou “a capacidade de pensar além do óbvio” e a “loucura para fazer este espaço [Oliva Creative Factory]”.

Comentar

Anónimo